Francisco Calheiros: “Nenhuma pandemia durará para sempre, é preciso manter a frieza”

Antes de entrar em teletrabalho, a Confederação do Turismo Português acertou "os detalhes da operação" para que se mantivesse 100% operacional neste tempo "crítico" para o setor.

O turismo está já a sofrer com o surto de coronavírus, mas Francisco Calheiros salienta que, neste momento, o importante é manter “a frieza e o sentido de responsabilidade”, protegendo os postos de trabalho e apoiando as empresas. Isto porque “nenhuma pandemia durará para sempre”.

O presidente da Confederação do Turismo Português (CTP) é um dos muitos portugueses que estão a trabalhar a partir de casa e é mais um dos entrevistados da nova rubrica diária do ECO chamada Gestores em Teletrabalho.

“Infelizmente, e face ao período difícil em que nos encontramos, todos temos de adotar novas rotinas pessoais e profissionais. No meu caso, encontrou-me em regime de teletrabalho, bem como toda a minha equipa da CTP”, explica Francisco Calheiros, referindo que as deslocações à sede da confederação só estão a acontecer “em caso de estrita necessidade”.

“Todas as reuniões, por exemplo, com associados e parceiros, de Comissão Permanente de Concertação Social, com governantes e outras estão a ser feitas por videoconferência. Naturalmente que também não participo em congressos, conferências ou feiras de turismo, que têm vindo a ser cancelados ou adiados”, frisa.

Antes de entrar neste regime de trabalho remoto, a CTP já tinha reforçado o equipamento informático e acertado os “detalhes desta operação” de modo a garantir que, mesmo com os trabalhadores à distância, ficaria 100% operacional, neste momento difícil para o setor que representa.

“Sabíamos que o turismo seria uma das primeiras atividades a sofrer o impacto desta pandemia e que era essencial estarmos 100% operacionais para apoiar os nossos associados. As solicitações e os pedidos de apoio e esclarecimento aumentaram substancialmente, sobretudo no que se refere às medidas extraordinárias que vão sendo anunciados pelo Governo”, avança Francisco Calheiros. “A nossa prioridade é ouvir os nossos empresários, apoiá-los nas suas necessidades e representá-los junto dos decisores, neste momento crítico para o turismo e para o país”, acrescenta.

União Europeia deve “manter espírito de tolerância”

O presidente da CTP prevê que “seguramente a economia nacional irá sofrer graves consequências” desta pandemia, já que “praticamente todos os setores de atividade [estão] parados”. E não será só Portugal. “Infelizmente, não estamos sozinhos neste infortúnio: a ameaça é global e atinge quase todos os países do mundo”, salienta.

Ao ECO, Francisco Calheiros diz que, apesar desse cenário negro, é importante neste momento “manter a frieza e o sentido de responsabilidade, proteger os cidadãos e os postos de trabalho, apoiar as nossas empresas e estar preparados para a retoma“.

E tal proteção não cabe só aos empresários nem ao Executivo. “Esta é uma missão que nos cabe a todos”, afirma. Incluindo à União Europeia, defende Calheiros. A UE “deve manter o espírito de união e tolerância que está na sua essência”, remata.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Francisco Calheiros: “Nenhuma pandemia durará para sempre, é preciso manter a frieza”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião