Afinal, pode ser preciso usar máscara. OMS e EUA vão reavaliar recomendações

  • Lusa
  • 2 Abril 2020

Organização Mundial de Saúde vai reavaliar as suas recomendações sobre uso de máscaras e os Estados Unidos estão a ponderar mudar a sua posição, tornando obrigatório esta prática.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com Covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o assunto.

Citado pela BBC, David Heymann, que vai presidir a um grupo de especialistas que irá reavaliar quem deve usar máscaras, disse que a equipa vai analisar novos dados que estimam que o vírus possa ser projetado mais longe do que se pensava.

Um estudo norte-americano sugere que o vírus projetado pela tosse atinja seis metros e pelos espirros oito.

Atualmente, a OMS considera que as máscaras só devem ser usadas pelas pessoas que já estão infetadas com Covid-19 ou que cuidam dos doentes.

Também os Estados Unidos estão a ponderar mudar a sua posição, tornando obrigatório o uso de máscaras para conter a disseminação do Covid-19, seguindo o exemplo de países asiáticos e europeus, admitiu o diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças.

“Está provado que um grande número de pessoas infetadas permanece assintomática”, explicou Robert Redfield à rádio NPR, reconhecendo que “se usassem uma máscara, poderiam reduzir mecanicamente as transmissões até 25%”.

Também o diretor do Instituto de Doenças Infecciosas, Anthony Fauci, que se tornou o principal conselheiro do executivo dos EUA sobre o coronavírus, admitiu que o grupo de trabalho da Casa Branca tem tido “debates muito ativos” sobre o assunto.

Fauci reconheceu que a hesitação inicial em recomendar o uso generalizado não se baseou em nenhum argumento científico, mas na escassez de máscaras: os Estados Unidos, como a França e outros países, não tinham e ainda não têm máscaras suficientes para as necessidades do pessoal médico e de toda uma população.

“Mas uma vez que tenhamos máscaras suficientes, será seriamente considerada a recomendação de uso de máscaras por todos”, garantiu.

De acordo com o Washington Post, as autoridades poderão optar por recomendar máscaras artesanais à população em geral, reservando as de qualidade médica para os cuidadores de infetados.

Na China, Japão, Hong Kong, Taiwan ou Singapura, ninguém sai à rua sem máscara, hábito que começa agora a notar-se também em algumas partes da Europa.

Na República Checa, as máscaras passaram a ser obrigatórias e o Governo deu o seu aval a um vídeo que defende que o país conseguiu diminuir os contágios do Covid-19 graças a esse hábito.

O primeiro-ministro checo enviou mesmo uma mensagem ao Presidente dos Estados Unidos, recomendando seguir o exemplo daquele país da Europa de leste.

“Senhor Presidente @realDonaldTrump, tente atacar o vírus à maneira checa”, escreveu Andrej Babis na rede social Twitter.

A experiência da República Checa já foi seguida pela Eslováquia, pela Eslovénia e pela Áustria, tornando obrigatório o uso de máscara.

No entanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS) continua a defender que as máscaras só devem ser usadas pelas pessoas infetadas ou que cuidam dos doentes.

“As máscaras podem, na verdade, aumentar o risco de coronavírus se usadas incorretamente”, alertou o diretor executivo do programa de emergências em saúde da OMS, Mike Ryan, numa conferência de imprensa realizada na segunda-feira em Genebra.

Segundo este responsável da OMS, “não existem provas específicas que sugiram que o uso de máscaras pela população em massa tenha algum benefício potencial”.

Portugal segue – através da Direção-Geral de Saúde – a posição da OMS, mas também está a rever a possibilidade de mudar as orientações.

Segundo noticiou o Diário de Notícias na quarta-feira, um grupo de especialistas que integra o Programa português de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistência Antimicrobianas está a rever a orientação e admite alargar o uso da máscara a mais segmentos da população e de atividades profissionais.

Ainda assim, refere a mesma fonte, “de modo nenhum será aceite o uso generalizado de máscara. Não faz sentido, pelo menos por agora”.

A recomendação ou imposição à população em geral de usar máscara conta com argumentos a favor e contra de muitas instituições reconhecidas.

É o caso da Universidade norte-americana Johns Hopkins, que divulgou um gráfico no qual sugere que, nos países onde a máscara foi tornada obrigatória, o número de infetados começou a estabilizar cerca de um mês depois do surto (no caso, depois da contabilização de 100 casos), enquanto países como Reino Unido, França, Alemanha, Espanha e, sobretudo, Itália e Estados Unidos, continuam a ver os contágios aumentarem exponencialmente.

Argumento seguido também em Portugal pelo Conselho das Escolas Médicas.

“A experiência de países como China, Macau, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul é muito consistente”, defendeu o conselho num comunicado divulgado na semana passada, sublinhando que o uso generalizado de máscara é recomendado por várias entidades internacionais.

Para o Conselho das Escolas Médicas, “o uso de máscaras pela comunidade” pode “reduzir o risco de contaminação”, sendo que “quatro em cada cinco indivíduos contaminadores desconheciam que estavam infetados no momento em que infetaram terceiros”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, pode ser preciso usar máscara. OMS e EUA vão reavaliar recomendações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião