Trump anuncia novo acordo entre Rússia e Arábia Saudita. Petróleo dispara quase 30%

Presidente dos EUA disse no Twitter que falou com o príncipe da Arábia Saudita e poderá haver um novo acordo prestes a ser fechado.

Arábia Saudita e Rússia poderão estar prestes a chegar a um novo acordo petrolífero, apenas dois dias depois de ter chegado ao fim a anterior estratégia conjunta. O anúncio foi feito pelo presidente dos EUA, Donald Trump, no Twitter e está a causar fortes valorizações do petróleo. Sobe quase 30%.

“Acabei de falar com o meu amigo príncipe da Arábia Saudita, que falou com o presidente Putin, da Rússia e espero, e desejo, que eles reduzam aproximadamente 10 milhões de barris ou mesmo substancialmente mais, o que a acontecer, será ótimo para a indústria do petróleo e gás”, escreveu na rede social.

Logo após o tweet, o preço do petróleo começou a subir nos mercados internacionais. O WTI, no mercado norte-americano, avança 28,5% para 26 dólares por barril, sendo que desde meados de março que o barril negoceia próximo da barreira dos 20 dólares. Já o Brent de referência europeia valoriza 24%, tendo já chegado a tocar os 36 dólares por barril, valor que não tocava desde 16 de março.

Trump já tinha falado recentemente com os líderes da Rússia e da Arábia Saudita. E acredita, agora, que os dois países chegarão a um acordo “dentro de alguns dias” no sentido de terminarem a guerra de preços no mercado petrolífero, ou seja, permitindo um corte de produção que desse estabilidade aos preços.

A Arábia Saudita e a Rússia — dois dos maiores produtores do mundo — entraram num conflito que pôs fim à estratégia conjunta que estava em vigor há mais de três anos. Esse acordo limitava a produção de cada um com o objetivo de limitar o excedente do mercado e manter a estabilidade dos preços.

Petróleo dispara nos mercados internacionais

Em simultâneo, a pandemia de Covid-19 está a causar uma queda a pique na procura. Com 3,5 mil milhões de pessoas a viver em confinamento a nível global, a Agência Internacional de Energia estima uma quebra de consumo até 20 milhões de barris por dia.

A conjugação de choques do lado da oferta e da procura foi uma das principais causas para o tombo do petróleo nas últimas semanas. Tanto o Brent como o crude WTI afundaram para mínimos de 18 anos e houve mesmo regiões, como o Canadá ou a Rússia, onde o preço chegou a estar abaixo dos 10 dólares.

O mercado esperava, por isso, esta intervenção dos EUA, apesar de o resultado ainda não ter sido comunicado pelos próprios. Apesar disso, numa reunião do governo na quarta-feira, Putin defendeu que tanto os produtores como os consumidores de petróleo deveriam procurar encontrar uma solução que melhore a situação “desafiadora” dos mercados globais da matéria-prima.

(Notícia atualizada às 16h10)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump anuncia novo acordo entre Rússia e Arábia Saudita. Petróleo dispara quase 30%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião