Emigrantes regressados a Portugal têm novos quadros para preencher no IRS

Os contribuintes que tenham emigrado a partir de 2015 e regressado a Portugal em 2019 têm novos quadros para preencher na declaração de IRS a entregar este ano.

A campanha de IRS deste ano arrancou esta quarta-feira e há algumas alterações na declaração Modelo 3 a ter em conta, no caso dos portugueses emigrados que tenham voltado a Portugal país ao abrigo do programa Regressar e que, por isso, têm direito a um desconto fiscal. Há, pelo menos, 1.300 emigrantes estão nesta situação, de acordo com o ministério das Finanças.

O programa Regressar tem como objetivo apoiar o retorno dos emigrantes que foram “forçados” a sair do país durante a crise. Em causa está um pacote de medidas, no qual está incluído um desconto de 50% no IRS para os portugueses que regressem a Portugal ao abrigo deste regime.

Em fevereiro, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais adiantou que, de acordo com as retenções mensais na fonte, estão nesta situação, pelo menos, 1.300 emigrantes. “É um bom número, mas só quando os contribuintes entregarem o IRS de 2019, será possível ter o número certo”, disse António Mendonça Mendes.

Esse período de entrega das declarações anuais de rendimentos arrancou esta quarta-feira, prolongando-se até 30 de junho. E para os emigrantes regressados há alterações no declaração Modelo 3 a ter em atenção.

Num ofício circulado, a Autoridade Tributária (AT) salienta que uma das mudanças a registar, este ano, nessa declaração é relativa ao “regime de exclusão de tributação de rendimentos dos ‘ex-residentes'”.

De acordo com o Código do IRS, os portugueses que moraram em Portugal até 31 de dezembro de 2015, não tinham residência no país em 2016, 2017 e 2018 e tornaram-se fiscalmente residentes em 2019 têm agora direito a ver excluídos de tributação 50% dos seus rendimentos do trabalho dependente e dos seus rendimentos empresariais e profissionais.

O Fisco criou, por isso, um novo quadro ao anexo A (relativo aos rendimentos fruto de trabalho dependente ou pensões) na Modelo 3, no qual deve ser identificado o ano em que o “titular dos rendimentos se tornou residente em Portugal” (2019 ou 2020). Em causa está o quadro 4E.

Também no anexo B (para trabalhadores independentes sem contabilidade organizada) há um novo quadro (o 3C) para o mesmo efeito. O mesmo acontece no anexo C (para trabalhadores independentes com contabilidade organizada) e no anexo J (relativo aos rendimentos obtidos no estrangeiro). Nestes últimos dois anexos, estão em causa os quadros 3C e 4D.

Este desconto fiscal é aplicável aos rendimentos recebidos pelo emigrante regressado a Portugal a partir do primeiro ano em que reúna os requisitos previstos e nos quatro anos seguintes. Ou seja, para quem regressou em 2019, o benefício estende-se até 2023.

De notar que este “bónus” já tem sido sentido pelos contribuintes em causa todos os meses, já que as entidades patronais devem ter, desde logo, aplicado as taxas de retenção na fonte de IRS a apenas metade dos rendimentos. Este momento de entrega da Modelo 3 é, portanto, um “acerto de contas” com o Fisco, lógica que, de resto, já vigora no casos dos restantes contribuintes.

Na campanha de IRS deste ano, estão abrangidos pela apresentação automática da Modelo 3 cerca de três milhões de famílias, continuado excluídos dessa funcionalidade os trabalhadores independentes e os contribuintes com rendimentos prediais, capitais e incrementos patrimoniais.

Este ano, o Governo não se comprometeu ainda com o pagamento rápido dos reembolsos, enquanto que nos anos anteriores chegou a adiantar que esperava devolver o imposto aos contribuintes em média entre 15 e 30 dias após a entrega da declaração.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emigrantes regressados a Portugal têm novos quadros para preencher no IRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião