Covid-19: Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off. Sindicato diz que é “escandaloso”

  • Lusa
  • 6 Abril 2020

O Belenenses SAD anunciou esta segunda-feira que entrou parcialmente em lay-off. Sindicato dos Jogadores diz que é "escandaloso" e que os clubes profissionais devem comportar-se "de outra forma".

O Belenenses SAD, da I Liga portuguesa de futebol, entrou parcialmente em lay-off, devido à pandemia da covid-19, tendo “em vista a salvaguarda dos postos de trabalho e do tecido empresarial”, anunciou esta segunda-feira a formação lisboeta.

“A exemplo do que aconteceu com muitas empresas em Portugal e clubes de futebol europeus, a Belenenses SAD entrou parcialmente em lay-off”, comunicou o atual 13.º classificado da I Liga, em comunicado.

O Belenenses SAD expressou, na nota, que “a indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia”, que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas a nível global.

Os apoios públicos para empresas e trabalhadores por causa da pandemia do coronavírus têm em vista a salvaguarda dos postos de trabalho e do tecido empresarial, e foram criados para serem usados. O lay-off permite que os trabalhadores da Belenenses SAD beneficiem desses apoios”, explicou a sociedade presidida por Rui Pedro Soares.

Os ‘azuis’ concluíram o comunicado frisando que, “quando as entidades públicas permitirem, o futebol regressará, e a Belenenses SAD regressará também”.

Esta é a primeira formação da I Liga portuguesa de futebol a avançar com o lay-off, regime criado pelo Governo para auxiliar empresas no combate à crise gerada pela pandemia da covid-19.

Em 27 de março, Rui Pedro Soares realçou, em videoconferência de imprensa, que era “prematuro” falar da estabilidade financeira dos clubes de futebol portugueses, mas explicou, com dados do Belenenses SAD, como 72% dos custos decorrerem de salários, o impacto financeiro que esta paragem provocará no futebol.

Dependemos de algumas receitas. As receitas televisivas são 50% das receitas previsíveis numa época, mais as receitas de bilheteira e outro tipo de receitas, inclusive, venda de direitos de jogadores. As receitas que considerávamos certas, neste momento temos de as considerar como uma dúvida”, contou.

Rui Pedro Soares tinha alertado ainda para as “necessidades de financiamento” dos clubes, como a antecipação das receitas televisivas, que “não é possível” acontecer.

“Vamos ter problemas de tesouraria nesta indústria, do ponto de vista global, mas não conseguimos antecipar a intensidade e como vamos responder. Quando for possível, com certeza que, um dia, o futebol vai regressar”, assegurou.

Sindicato de jogadores diz que recurso ao ‘lay’-off’ é “escandaloso”

O Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF) apelidou esta segunda-feira de “escandaloso” o recurso ao regime de lay-off e considerou que os clubes profissionais devem comportar-se “de outra forma” perante os problemas financeiros causados pela pandemia de covid-19.

É escandaloso que alguns clubes procurem recorrer aos apoios estatais desta forma, passando para a sociedade portuguesa a mensagem de que, em tempos de crise, não só não conseguem resolver os problemas que os afetam, como ainda vão exigir fundos que deveriam estar disponíveis, de forma imediata, para os portugueses e respetivos setores de atividade em risco de colapso”, referiu o SJPF, em comunicado.

O sindicato presidido por Joaquim Evangelista condenou o que considera ser “uma atitude egoísta, que lesa todos os portugueses”, tendo em conta que os próprios jogadores já “mostraram disponibilidade para uma negociação séria”.

O SJPF deixou críticas ao Belenenses SAD, que “no domingo à noite, interpelou os seus jogadores, dando-lhes conhecimento” de que iria avançar para o ‘lay-off’, invocando não a “quebra de receitas, mas o encerramento total ou parcial da empresa, furtando-se deste modo à prestação de contas”.

Desta forma, o sindicato de futebolistas pretende “convocar todas as entidades públicas e órgãos de governo do futebol, para a necessidade de pôr termo a uma atuação que lesa os jogadores, mas sobretudo os contribuintes e o país”.

O futebol tem capacidade de dar resposta a este problema, o futebol profissional pode e deve comportar-se de outra forma. Felizmente, há muitos clubes que, nas mesmas circunstâncias, adotaram uma atitude diferente, partilhada e na justa medida. A esses fica o reconhecimento e a disponibilidade dos jogadores para ultrapassar esta crise”, conclui a nota emitida pelo SJPF.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito esta segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 311 mortes, mais 16 do que na véspera (+5,4%), e 11.730 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 452 em relação a domingo (+4%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00h00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off. Sindicato diz que é “escandaloso”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião