PSD propõe que empresas encerradas possam descontar metade das férias dos trabalhadores

A proposta do PSD é que as empresas afetadas pelo coronavírus possam obrigar os trabalhadores a descontar metade das suas férias a este período em que não estão a trabalhar.

O PSD propõe uma flexibilização do regime de férias durante o período da crise para que as empresas afetadas pelo coronavírus possam afetar metade das férias dos trabalhadores ao período de tempo em que estejam sem trabalho.

As empresas encerradas ou que tenham enviado trabalhadores para casa sem ser em teletrabalho, por força da quebra da sua faturação durante o estado de emergência ou de outras condicionantes que, de seguida, venham a ter de ser implementadas, podem afetar metade das férias desses trabalhadores a esse período de tempo“, propõem os sociais-democratas no documento apresentado esta segunda-feira.

A intenção do maior partido da oposição é que já em abril as empresas que fechem temporariamente possam usar metade das férias dos seus trabalhadores para “mitigar o impacto da quebra de atividade”.

Os sindicatos têm defendido que é “ilegal” forçar ou trabalhadores a gozarem férias, até porque neste momento de pandemia não estão reunidas as condições para a tal recuperação física e psíquica inscrita na lei. Contudo, a antecipação das férias tem sido utilizada por várias empresas, nomeadamente em acordos com os trabalhadores.

O Governo já mexeu nas férias, mas apenas para prolongar a data até à qual o mapa de férias tem de ser publicado. No novo decreto que regulamenta o prolongamento do estado de emergência, as empresas e os trabalhadores passam a poder decidir o mapa de férias deste ano até 10 dias após o fim do estado de emergência, o qual vai ser prolongado até 17 de abril, sem prejuízo de haver renovação. O prazo normal é até 15 de abril.

Além das férias, o PSD propõe também uma flexibilização do uso do banco de horas durante este mesmo período. “As empresas que tiveram quebras superiores a 25% na sua faturação podem gerir com critérios mais alargados os bancos de horas dos seus trabalhadores” durante o estado de emergência e até 180 dias após o seu fim, sugerem os sociais-democratas. Também esta proposta tem como objetivo uma recuperação mais rápida por parte das empresa no pós-pandemia.

Ainda no capítulo do mercado de trabalho, o PSD também propõe a “desburocratização e alargamento do acesso ao lay-off“. Como? Em primeiro lugar, os sociais-democratas querem que o Estado pague a parte do salário (70%) diretamente aos trabalhadores e não como reembolso às empresas “dado que muitas não têm tesouraria para suportar esse gasto”.

Além disso, o PSD quer que haja um acesso simplificado ao lay-off “por mera declaração dos responsáveis da empresa e do contabilista certificado, para todas as empresas que sofreram uma quebra superior a 30% na faturação, em períodos de duas semanas (face ao período anterior ou face ao período homólogo de 2019)”. E ainda que as empresas tenham a possibilidade de pagar a totalidade da remuneração perdidas dos funcionários em lay-off, sem perder acesso ao regime, até um máximo de 1.905 euros

O PSD reitera também a posição já anunciada por Rui Rio de que defende o alargamento do lay-off ao sócio-gerente, equiparando-o a um trabalhador. “Esta proposta é de elementar justiça, relativamente a trabalhadores que, por terem uma participação no capital social das empresas, não têm qualquer apoio social nesta circunstância”, argumenta o partido.

(Notícia atualizada às 17h57 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD propõe que empresas encerradas possam descontar metade das férias dos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião