Portugueses confiam menos em Marcelo. Dão nota positiva a Costa nesta crise

Sentimento dos portugueses em relação ao Presidente da República e ao Governo na atuação nesta crise são contraditórios. Enquanto Marcelo desce na opinião dos inquiridos, António Costa sobe.

A aprovação dos portugueses à atuação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, está a cair, segundo o Barómetro de Opinião Covid-19 da Marktest. Em sentido contrário, o Governo liderado por António Costa está a receber mais apoio.

Os resultados da última sondagem, realizada a 30 de março e 1 de abril, indicam que o índice de avaliação de desempenho do Presidente da República caiu, numa semana, três pontos para 67 pontos.

Por outro lado, o mesmo índice mas em relação ao Governo atingiu os 74 pontos, mais 1,6 pontos que na semana anterior. “Esta melhoria no índice deve-se a uma diminuição da percentagem de portugueses que avaliavam de forma negativa a atuação do executivo”, explica o relatório da Marketest, que indica que 82% dos inquiridos dão nota positiva à atuação do Executivo.

Índice de avaliação de desempenho

Fonte: Marktest

Preocupante é o valor do índice de expectativa económica dos portugueses sobre a sua situação económica pessoal e do país daqui por um ano“, assinala o relatório. A Marktest retomou a medição do indicador que se situa apenas em 16,29%.

Este compara com os 32,2% registados em 2013, quando foi marcado o início da recuperação do sentimento económico dos portugueses face ao seu próprio futuro e ao do país, ainda durante a crise financeira.

“Hoje, e sob o impacto da pandemia provocada pelo Covid-19, o Índice de Expectativa é metade do valor de há sete anos, não indo além dos 16,29. A gravidade da atual situação leva a que 71% dos portugueses considerem que o atual Governo tem feito tudo o que está ao seu alcance para proteger os portugueses do risco representado pelo coronavírus”, acrescenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses confiam menos em Marcelo. Dão nota positiva a Costa nesta crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião