CTT cancelam dividendo por causa do Covid-19

Empresa prevê quebra das receitas nos próximos meses por causa da pandemia. Decidiu, por isso, reverter a decisão de remunerar acionistas, mas também de pagar prémios a trabalhadores

Os CTT já não vão pagar dividendos. A empresa de correios liderada por João Bento decidiu reverter a decisão de remunerar os acionistas, com base nas contas do ano passado, perante a quebra de receitas perspetivada para os próximos meses em resultado da pandemia de Covid-19. Também não irá premiar a gestão, nem a nenhum dos restantes trabalhadores.

“Dada a incerteza económica e a ainda pouco clara noção sobre a gravidade da crise de Covid-19, e apesar da sólida posição do balanço de que a empresa dispõe atualmente, o Conselho de Administração considerou relevante, tanto para a empresa como para os seus stakeholders, reverter a sua intenção de propor à assembleia geral de acionistas um dividendo de 0,11 euros por ação“, referem os CTT em comunicado enviado à CMVM.

“O Conselho de Administração proporá à assembleia geral de acionistas que o resultado líquido de 2019 seja destinado a integrar resultados transitados e, adicionalmente, que não seja alocada parte dos lucros do exercício aos trabalhadores e administradores executivos dos CTT“, acrescenta no mesmo comunicado em que altera a data da reunião magna de 21 para 29 de abril, sendo esta feita por meios telemáticos.

Os CTT explicam a decisão de cancelar o dividendo, bem como os prémios, com a quebra prevista “nos rendimentos do correio, encomendas B2B e serviços financeiros durante os próximos meses”.

A empresa liderada por João Bento afirma que “continua empenhada em apresentar retorno e remuneração acionista sustentáveis no longo prazo”, mas dadas as circunstâncias excecionais, “considera prioritário assegurar tanto a continuidade imediata do negócio como o investimento em iniciativas no sentido de continuar a ajudar os nosso clientes nas suas atividades de comércio eletrónico“, remata.

(Notícia atualizada às 7h21 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT cancelam dividendo por causa do Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião