Governo recomenda a estabelecimentos que dissuadam “açambarcamento”

  • Lusa
  • 6 Abril 2020

Estabelecimentos grossistas passam a poder vender diretamente aos consumidores finais. Contudo, Governo diz que estes “devem precaver circunstâncias de açambarcamento de produtos essenciais”.

O Governo recomenda aos estabelecimentos de comércio por grosso de distribuição alimentar que adotem, “se necessário, medidas para acautelar que as quantidades disponibilizadas a cada consumidor são adequadas e dissuasoras de situações de açambarcamento”.

Enquanto durar o estado de emergência decretado devido à pandemia de Covid-19, os estabelecimentos de comércio por grosso de distribuição alimentar podem “vender os seus produtos diretamente ao público”, estabelece um despacho publicado em Diário da República e que entra em vigor na segunda-feira.

Porém, a possibilidade de os cidadãos particulares se abastecerem em estabelecimentos grossistas “deve precaver circunstâncias de açambarcamento de produtos essenciais”.

No despacho, assinado na sexta-feira, o secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Veloso da Silva Torres, recorda que “uma das prioridades”, no atual contexto, passa por garantir “que as cadeias de abastecimento de bens e serviços essenciais continuam a ser asseguradas”.

No mesmo documento, o Governo comunica também que o comércio de velocípedes, veículos automóveis e motociclos, tratores e máquinas agrícolas, navios e embarcações está suspenso desde sexta-feira.

A atividade de estabelecimentos de manutenção ou reparação, de venda de peças e acessórios e de serviços de reboque “pode manter-se”.

Em outro despacho publicado hoje, o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital delega algumas competências nos secretários de Estado durante o período de vigência do estado de emergência decretado para combater a pandemia de Covid-19.

O ministro Pedro Siza Vieira delega na secretária de Estado do Turismo e no secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor decisões relacionadas com a abertura de instalações ou estabelecimentos e com o exercício de atividades de comércio a retalho e por grosso ou de prestação de serviços, incluindo a restauração.

A decisão de permitir, impor ou limitar determinada atividade deve basear-se no que se tornar essencial “com o evoluir da presente conjuntura”, nomeadamente “assegurar o regular abastecimento de bens essenciais à população” e “manter a continuidade das cadeias de distribuição de produtos aos consumidores”, lê-se no despacho.

Os secretários de Estado poderão ainda “limitar ou suspender o exercício das atividades de comércio a retalho ou de prestação de serviços (…) caso o respetivo exercício se venha a manifestar dispensável ou indesejável no âmbito do combate ao contágio e propagação do vírus”.

O Covid-19 já causou 295 mortos e infetou 11.278 pessoas em Portugal. Em todo o mundo, estão infetadas mais de 1,2 milhões de pessoas, das quais morreram mais de 68 mil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo recomenda a estabelecimentos que dissuadam “açambarcamento”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião