Com a SRS em teletrabalho, Pedro Rebelo de Sousa prevê uma “queda substancial” na faturação

Pedro Rebelo de Sousa crê que a firma foi a primeira do setor a adotar o teletrabalho. Para o managing partner da SRS esta nova prática está a ser mais fácil do que o que imaginava.

A pandemia do Covid-19 está a fazer com que empresas de todos os setores adotem novos hábitos de trabalho e o teletrabalho tem sido uma das soluções encontradas. A sociedade de advogados SRS, tal como a Vieira de Almeida e PLMJ, colocou todos os seus profissionais a laborar a partir de casa.

Entrevistado para a rubrica diária do ECO, Gestores em teletrabalho, Pedro Rebelo de Sousa, managing partner da sociedade de advogados SRS, crê que o escritório foi o primeiro do setor a trabalhar de casa a 100%, iniciando esta prática a 12 de março.

Ainda assim, existem profissionais a assegurar mínimos no edifício. “Apenas com um piquete nas instalações a garantir acesso pontual e excecional de colegas, correio e central telefónica garantindo uma desinfeção completa e permanente dos edifícios”, nota Pedro Rebelo de Sousa.

O managing partner garante que o teletrabalho tem sido “mais fácil” do que equacionaram. “Claramente diferente e muito time consuming em reuniões e contactos telemáticos. Mudou basicamente tudo no quotidiano e acabamos por estar plugged in ainda mais horas quer com tarefas internas, quer com reuniões com clientes”, acrescenta.

Com a rotina alterada, Pedro Rebelo de Sousa assegura que a cabeça está muito centrada no contexto operativo e no escritório. Sobre o impacto do Covid-19 na firma, diz não ter previsão, mas que irá existir certamente “uma substancial queda, quer da faturação quer da rentabilidade”

Preocupação com os clientes assente em quatro pilares

O Covid-19 deixou os cidadãos com várias dúvidas sobre como agir nas mais diversas situações empresariais, mas a SRS continua a apoiar os seus clientes. Para isso adotaram quatro pilares que conduzem a sua atuação, segundo o que managing partner explicou ao ECO:

  1. Segurança sanitária dos colaboradores e acompanhamento com comunicação interna;
  2. Garantia da continuidade operativa quer da atividade dos advogados quer do back office obedecendo o plano de contingência;
  3. Contacto permanente com clientes e produção de material informativo com call centers e grupos de apoio;
  4. Reconfiguração do negócio e preparação do pós crise.

A SRS Advogados é uma sociedade de advogados full-service do país. Conta com mais de 25 anos de experiência na assessoria jurídica a empresas, a instituições financeiras e governamentais, nacionais e internacionais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com a SRS em teletrabalho, Pedro Rebelo de Sousa prevê uma “queda substancial” na faturação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião