Apoio a sócios-gerentes “deixa milhares de fora”

  • Lusa
  • 8 Abril 2020

"Limite de 60 mil euros de faturação para que sócios-gerentes possam aceder ao apoio é um valor muito baixo e que esquece que a faturação é muito variável consoante o subsetor de atividade", diz CCP.

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) considerou esta quarta-feira que o regime de apoio aos sócios-gerentes aprovado pelo Governo no âmbito da crise da pandemia Covid-19 “é claramente insuficiente”, deixando “milhares” de situações de fora.

Em comunicado, a confederação presidida por João Vieira Lopes afirma que o apoio aos sócios-gerentes “deixa milhares de fora” e é “claramente insuficiente, não respondendo de todo” às preocupações da CCP.

“O regime agora criado peca, desde logo, por não apoiar os sócios-gerentes quando a empresa tenha algum trabalhador por conta de outrem. Ora, quem conhece a realidade do nosso tecido empresarial sabe que, por norma, a empresa funciona com um ou dois sócios com o apoio de pelo menos um trabalhador”, afirma a confederação.

Segundo a CCP, esta é uma realidade em “inúmeras atividades de serviços ao consumidor e também em muitas empresas no comércio a retalho”, pelo que “excluir estas situações é deixar de fora muitos empresários, precisamente aqueles que maiores custos têm que assumir, decorrentes, nomeadamente, da existência de contratos de trabalho”.

A CCP considera ainda que o limite de 60 mil euros de faturação para que os sócios-gerentes possam aceder ao apoio “é um valor muito baixo e que esquece que a faturação é muito variável consoante o subsetor de atividade a que respeita”.

“Em síntese, a CCP considera que a generalidade dos pequenos empresários continua sem qualquer tipo de apoio que contribua para minimizar o impacto desta crise”, pode ler-se no comunicado.

Em causa está o alargamento aos sócios-gerentes que não tenham trabalhadores por conta de outrem do apoio anteriormente previsto apenas para os trabalhadores independentes com paragem ou redução da atividade.

Segundo o diploma publicado na segunda-feira à noite e já em vigor, o apoio previsto para os trabalhadores independentes “é concedido, com as necessárias adaptações, aos sócios-gerentes de sociedades, bem como membros de órgãos estatutários de fundações, associações ou cooperativas com funções equivalentes àqueles, sem trabalhadores por conta de outrem, que estejam exclusivamente abrangidos pelos regimes de Segurança Social nessa qualidade e que, no ano anterior, tenham tido faturação comunicada através do e-fatura inferior a 60.000 euros”.

O apoio tem em conta a base de incidência contributiva e varia entre 438,81 euros e os 635 euros, sendo prorrogável até seis meses.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apoio a sócios-gerentes “deixa milhares de fora”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião