Cinco maiores seguradoras chinesas lucraram 35 mil milhões de euros em 2019

  • ECO Seguros
  • 8 Abril 2020

A China Life Insurance liderou em crescimento de lucros anuais entre as maiores seguradoras chinesas, protagonizando subida superior a 400% no ganho anual atribuível a acionistas.

O lucro anual conjunto das cinco maiores seguradoras da China progrediu 72% no último exercício fiscal, face a 2018. O quinteto – onde se incluem a o grupo Ping An e a China Life Insurance – arrecadou 272,4 mil milhões de yuans (35 mil milhões de euros aproximadamente), soma o conjunto de relatórios financeiros relativos a 2019.

A progressão de ganhos beneficiou de desempenho operacional, ganhos em apostas de investimento e, sobretudo, de estímulos fiscais do governo da República Popular.

Entre as companhias que contribuíram para o ganho gigantesco salienta-se a China Life Insurance, maioritariamente controlada pelo Estado, com resultado líquido 411% superior ao de 2018 e a alcançar 58,29 mil milhões de yuans (cerca de 7,4 mil milhões de euros ao câmbio corrente RMB-Euro). Com variação menos impressionante (+39%%), a Ping An Insurance – grupo fundado há pouco mais de 30 anos e considerada a maior seguradora da China em volume de prémios de seguro emitido – reportou lucros líquidos de 149,4 mil milhões de yuans (cerca de 19,2 mil milhões de euro).

A imprensa oficial local destaca ainda a China Pacific Insurance, cujos lucros líquidos progrediram 54%, face a 2018, atingindo 27 740 milhões de yuans (cerca de 3,6 mil milhões de euros), de acordo com o relatório financeiro remetido pela companhia à bolsa de valores de Xangai.

A China Pacific encerrou o exercício de 2019 a crescer 8% em receitas da atividade seguradora, totalizando 347,5 mil milhões de yuan renminbi (aproximadamente 44,65 mil milhões de euros), e uma carteira de clientes que cresceu em 12,1 milhões, para um total de 138,6 milhões de segurados.

Além destas três, o lote das cinco maiores completa-se com a PICC (People´s Insurance Company of China) e a New China Life Insurance, a mais jovem das cinco, fundada em 1996, cinco anos depois da criação da China Pacific. As mais longevas são a PICC e a China Life Insurance. Ambas acumulam experiência que remonta à fundação da República Popular, há cerca de 70 anos.

O crescimento da indústria chinesa de seguros coloca duas companhias (Ping An e a China Life) entre as quatro maiores do mundo, precedidas apenas pela norte-americana United Health e a francesa AXA, lista a A.M. Best no ranking anual do setor.

Números mais recentes do Banco Popular da China, autoridade monetária do país, reportam que o setor de seguros terminou o exercício de 2019 com 20,56 biliões de yuans em ativos (cerca de 2,6 biliões em euros ou 12% acima de 2018), enquanto o passivo em balanço pesava 18,08 biliões de yuans.

Aproximadamente um terço dos valores indicados, quer em ativo quer no lado de passivo, reflete a situação do grupo Ping An.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinco maiores seguradoras chinesas lucraram 35 mil milhões de euros em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião