Seguradoras espanholas criam apólice única para 700 mil profissionais de saúde

  • ECO Seguros
  • 8 Abril 2020

Mais de 100 seguradoras uniram-se para proteger 700 mil profissionais do setor da saúde que combatem a pandemia. Trata-se da maior apólice de benefício coletivo alguma vez subscrita em Espanha.

As seguradoras uniram-se em torno de um objetivo solidário em benefício dos funcionários do sistema de saúde em Espanha. A contribuição conjunta da indústria juntou 37 milhões de euros agora reunidos num fundo que a Associação Empresarial de Seguro (Unespa) utilizará para subscrição de uma apólice Vida de benefício coletivo.

O seguro erigido por companhias que representam cerca de 78% da indústria em Espanha vai abranger mais de 700 mil profissionais de saúde e cobre falecimento por causa direta da covid-19 e inclui um subsídio de hospitalização.

A iniciativa protege médicos, enfermeiros, auxiliares, pessoal de ambulâncias e outros técnicos que trabalham no Sistema Nacional de Saúde envolvidos no combate direto à pandemia (covid-19) em hospitais, clínicas, unidades públicas de atendimento ambulatório e mesmo os que desenvolvem em estabelecimentos do setor privado, como os cuidadores de lares para idosos.

Em caso de morte por doença covid-19, o capital seguro ascende a 30 mil euros por pessoa, valor que corresponderá à indemnização a pagar aos herdeiros legais do segurado. Já o apoio por hospitalização tem um valor de 100 euros por dia de internamento para um período de três dias até um máximo de duas semanas.

A cobertura prevista no seguro coletivo supõe uma vigência de seis meses que conta desde a declaração do Estado de Alarme em Espanha. Ou seja, a apólice tem validade retroativa, podendo indemnizar herdeiros de profissionais de saúde falecidos por causa direta da covid-19 desde 14 de março, explica a Unespa em comunicado.

Caso a sinistralidade seja inferior à capacidade do fundo, o montante restante será canalizado para apoiar os afetados pela crise do coronavírus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguradoras espanholas criam apólice única para 700 mil profissionais de saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião