Ikea avança para lay-off pago a 100%

  • Lusa
  • 9 Abril 2020

A empresa sueca vai colocar cerca de 65% dos trabalhadores em Portugal em regime de lay-off. Funcionários continuam a receber a totalidade do salário.

A Ikea Portugal anunciou esta quinta-feira que vai aderir ao lay-off simplificado criado pelo Governo, a partir de 13 de abril, e garantiu o pagamento da totalidade das remunerações base aos trabalhadores.

“No seguimento do surto de coronavírus que está a afetar o mundo, e o consequente encerramento temporário das suas lojas ao público, a Ikea Portugal irá implementar, a partir de 13 de abril, a medida criada pelo Governo português para apoiar a manutenção de empregos durante a crise da covid-19, garantindo a totalidade das remunerações base de todos os colaboradores”, informou, em comunicado, a empresa sueca.

Desde o dia 18 de março que a Ikea Portugal mantinha apenas parte da sua atividade de e-commerce, continuando, ainda assim, a assegurar o pagamento total dos salários aos trabalhadores. A decisão para avançar para o regime de lay-off relacionou-se, diz, com o impacto comercial que o encerramento das lojas ao público está a ter e com a incerteza quando à data de reabertura.

“Assim, a Ikea Portugal, em alinhamento global, decidiu adotar medidas excecionais e temporárias de proteção dos postos de trabalho, através da implementação do sistema de lay-off simplificado temporário durante um período de 30 dias, eventualmente renovável nos termos da lei”, continuou.

A medida vai abranger cerca de 65% dos colaboradores das lojas, escritórios e centro de apoio ao cliente. Uma vez que a empresa vai manter o funcionamento da sua loja online, os colaboradores com funções nesta área, ou noutras que sejam essenciais, vão manter os seus horários, ainda que com algumas adaptações.

A Ikea Portugal garantiu, ainda, que todos os colaboradores abrangidos pelo lay-off vão continuar a poder usufruir do seguro de vida e de saúde da empresa, bem como o acesso a plataformas de apoio, como a linha de apoio interna a todos os colaboradores durante a pandemia do novo coronavírus, ou o programa criado para orientar e apoiar colaboradores que enfrentam desafios pessoais relacionados com saúde, problemas de dependência, violência doméstica, instabilidade financeira, entre outros.

Na segunda-feira, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, adiantou, numa conferência de imprensa após a reunião da Concertação Social que se realizou por videoconferência, que até àquele momento tinham-se candidatado ao lay-off simplificado criado pelo Governo 33.366 empresas, correspondente a um universo de 556.751 trabalhadores.

Correção: O lay-off vai abranger 65% dos trabalhadores e não a totalidade dos trabalhadores do Ikea, como indicava uma versão anterior do artigo. Aos leitores e visados, as nossas desculpas.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Ikea avança para lay-off pago a 100%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião