Mais de 33 mil empresas já se candidataram ao lay-off simplificado

Ministra do Trabalho revelou esta segunda-feira que já mais de 33 mil empresas pediram para aderir ao lay-off simplificado, um mecanismo que visa assegurar os empregos durante a crise do Covid-19.

Mais de 33 mil empresas já pediram para aderir ao regime de lay-off simplificado, criado há apenas uma semana pelo Governo para apoiar a manutenção dos empregos durante a crise do Covid-19.

Neste momento, já temos mais de 33 mil empresas que se candidataram ao lay-off simplificado, em que procuramos apoiar a manutenção dos postos de trabalho num momento crítico em que muitas empresas deixaram de ter atividade ou deixaram de ter volume de faturação”, adiantou esta segunda-feira a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, em declarações à SIC Notícias.

Este número representa um aumento de mais de mil candidaturas em dois dias, isto depois de o ministério ter revelado no sábado que quase 32 mil empresas, com 552 mil trabalhadores, já tinham pedido acesso a este novo regime de lay-off.

Em causa está um regime que permite ao empregador suspender o contrato de trabalho ou reduzir a carga horária. O trabalhador, por sua vez, passa a ter direito a, pelo menos, dois terços da sua remuneração, pagos em 70% pela Segurança Social e em 30% pelo patrão.

De acordo com o Ministério do Trabalho, tendo em conta os dados apurados até ao último sábado, a maioria dos pedidos de acesso ao lay-off simplificado foi apresentado por empresas inseridas nos setores do alojamento, restauração e similares, da reparação de veículos automóveis e motociclos, e das indústrias transformadoras.

Além disso, a maior fatia dos empregadores que demonstraram interesse neste regime estão localizados em Lisboa (7.398 pedidos), seguindo-se o Porto (6.604 pedidos) e Braga (3.361 pedidos).

Mais de sete em cada dez pedidos foram apresentados por microempresas, que têm 10 ou menos trabalhadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 33 mil empresas já se candidataram ao lay-off simplificado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião