Propinas ajustadas caso instituições não garantam ensino à distância

  • Lusa
  • 9 Abril 2020

Governo, em articulação com as IES, tem até ao final do mês para adaptar “os prazos para pagamento das propinas em conformidade com a evolução da crise sanitária”.

O pagamento de propinas no ensino superior será ajustado caso as instituições não consigam garantir o ensino à distância durante o período de contenção de Covid-19, segundo um projeto-lei do PAN aprovado no Parlamento.

“O valor das propinas representa uma fatia bastante significativa dos rendimentos das famílias”, afirmou a deputada Cristina Rodrigues, do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), durante a discussão do diploma da sua bancada que foi aprovado com os votos favoráveis do PS, PAN e da deputada Joacine Katar Moreira.

O diploma defende que as instituições de ensino superior (IES) devem assegurar o ensino à distância durante o atual período de contenção da pandemia de Covid-19, mas, caso não seja possível, deverão reajustar o valor das propinas.

O Governo, em articulação com as IES, tem até ao final do mês para adaptar “os prazos para pagamento das propinas em conformidade com a evolução da crise sanitária”, define o diploma aprovado em sessão plenária.

O decreto-lei protege os alunos mais carenciados, acautelando que qualquer ajustamento do valor da propina não prejudicará “os apoios já atribuídos no âmbito da ação social escolar”.

O diploma contou com os votos contra do PSD, CDS e PEV e as abstenções do Bloco de Esquerda (BE), Iniciativa Liberal e Chega.

Também os deputados do PCP, BE e PEV tinham propostas relativas às propinas, mas todas elas foram chumbadas.

“Manter as propinas é agudizar as desigualdades”, defendeu a deputada comunista Ana Mesquita, referindo que nem todos os alunos conseguem ter agora acesso às aulas.

“O que está a acontecer não é ensino à distância”, até porque “não está acreditado, não está registado e não garante a igualdade de todos os alunos”, alertou a deputada comunista.

Ana Mesquita lembrou três medidas na área da educação propostas pelo PCP: suspender as propinas, dispensar o pagamento do alojamento da residência de estudantes e manter os apoios na área da ciência e investigação, em especial para os bolseiros.

Todos os diplomas da bancada comunista foram chumbados com os votos contra do PS, PSD, CDS e Iniciativa Liberal.

O PEV também apresentou um projeto de lei que defendia a suspensão do pagamento das propinas durante o período de medidas restritivas e outro pela suspensão do pagamento do alojamento em residências universitárias. Os dois diplomas foram chumbados com os votos contra do PS, PSD e CDS.

Algumas instituições já avançaram com medidas que visam suspender o pagamento de determinadas prestações: o Instituto Politécnico de Setúbal, por exemplo, prolongou o prazo para pagamento das propinas e a Universidade da Madeira anunciou um período de carência de dois meses para o pagamento.

Também os alunos têm pedido a intervenção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior: a Associação Académica de Coimbra (AAC)endereçou um pedido de suspensão imediata desta prestação e a Federação Académica do Porto enviou uma carta aberta apelando à eliminação dos juros de mora entre outras medidas.

A 24 de março, dia Nacional do Estudante, a AAC lançou uma petição pública a exigir a suspensão imediata do pagamento das propinas, bem como o reforço extraordinário das bolsas no ensino superior.

O PAN também apresentou um projeto de lei que defendia a suspensão do pagamento das prestações de alojamentos durante o período de emergência de saúde pública, mas também foi chumbado com os votos contra do PS, PSD, CDS, com a abstenção do Chega e do Iniciativa Liberal.

Ana Rita Bessa, CDS, criticou os projetos para o ensino superior e ciência, considerando tratar-se de propostas “sem critérios rigorosos e justos”, que não “foram devidamente pensados”.

A deputada centrista lamentou a “chuva de iniciativas”. Além das propinas, também criticou a proposta do Bloco de Esquerda sobre o 3.º período de aulas: “Cabe ao Governo governar e não devem os partidos ceder à tentação”, afirmou Ana Rita Bessa.

A proposta do BE defendia, entre outras medidas, que a avaliação final do ano letivo seria baseada apenas nos conteúdos ensinados em sala de aula e que as provas de aferição e exames do 9.º ano não deveriam realizar-se este ano.

A deputada bloquista Joana Mortágua defendeu que “seria um erro tentar reproduzir horários e disciplinas” e que é preciso nunca esquecer que existem alunos “que não tem computador em casa, ou que os pais são analfabetos”.

Durante mais de seis horas, os deputados discutiram e votaram mais de uma centena de propostas relacionadas com o impacto da pandemia de Covid-19.

O primeiro caso de um doente infetado com o novo coronavírus em Portugal surgiu no início do mês passado e uma das primeiras medidas de contenção foi o encerramento de todas as escolas dos país.

Entretanto o Governo já decretou Estado de Emergência havendo neste momento mais de 13 mil infetados e mais de 300 mortos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Propinas ajustadas caso instituições não garantam ensino à distância

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião