Regulador europeu dos mercados alerta agências a evitar cortes de rating bruscos

A ESMA está a aconselhar as agências de rating a evitarem levar a cabo cortes de rating bruscos, temendo os efeitos que tal poderá ter sobre países e empresas e no agudizar da crise.

O regulador dos mercados europeus teme que eventuais cortes de rating por parte das agências de notação financeira possam agudizar ainda mais o cenário de recessão económica. Por isso, está a aconselhar as agências de notação financeira a evitarem cortes abruptos de avaliação da dívida de Estados e empresas.

O alerta é feito por Steven Maijoor, presidente da ESMA (Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários, na sigla em inglês) que diz ter intensificado as interações com as agências de rating para perceber a forma como estão a responder à crise do Covid-19.

“O timing para as ações de rating deve ser calibrado de forma cautelosa“, aconselhou Steven Maijoor, em declarações citadas pela Reuters, relativamente à atuação de um setor que é dominado por três agências: Moody’s, Standard & Poor’s e Fitch.

O responsável pelo regulador do mercado europeu de ações disse ainda antecipar um crescimento significativo nos downgrades dos ratings em resultado do impacto do Covid-19 sobre a economia, considerando que a deterioração na qualidade creditícia necessita de ser refletida de forma adequada.

“Mas o importante é o timing entre [as agências] considerarem os riscos mais elevados de ter pior qualidade de crédito e o de não agirem pro-ciclicamente, e assegurarem que o timing desses downgrades é feito de forma apropriada”, alertou.

“Precisam de fazer isso de forma independente [relativamente às agências]. Não podemos e não devemos interferir nos processos de rating em concreto”, acrescentou ainda Maijoor.

O alerta do responsável da ESMA surge numa altura em que, além dos problemas de saúde e económicos, emerge a preocupação de que possa surgir uma onda de revisões em baixa dos ratings, apesar de as agências sublinharem o caráter temporário dos choques resultantes da pandemia.

Ainda recentemente o Citigroup salientou que uma quebra de 30% nos resultados pode causar revisões em baixa de 25% das empresas globais que estão no último nível de grau de investimento. Ou seja, que passarão a ser avaliadas como investimento especulativo. Já a Fitch antecipou para 2020 a maior onda de descidas nas avaliações desde 2009, ou seja, durante a crise financeira, devido aos efeitos da combinação entre o impacto económico do coronavírus e as respostas políticas a essa realidade.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador europeu dos mercados alerta agências a evitar cortes de rating bruscos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião