Ir às compras? Nestes restaurantes pode encomendar o almoço de Páscoa

Com as portas fechadas, há vários restaurantes a apostarem no take away, bem como nas entregas em casa. Do cabrito ao tradicional folar, estes espaços preparam o almoço de Páscoa por si.

Este ano a Páscoa não pode ser desfrutada no habitual convívio alargado a toda a família, mas nem por isso deixa de ser um momento especial para muitos portugueses. Assim, há vários restaurantes a prepararem cabazes especiais para levarem o melhor da comida tradicional até sua casa.

Com as portas fechadas, há vários restaurantes a apostarem no take away, bem como entregas em casa. Cabrito, polvo à lagareiro, o tradicional folar… são vários os estabelecimentos que têm menus especiais para esta época. O ECO mostra-lhe alguns exemplos.

O restaurante Cabriz, localizado no distrito de Viseu, mais precisamente na Carregal do Sal, tem opções variadas que incluem “pratos como o tradicional cabrito assado ou o polvo à lagareiro”, que se completam “com o também tradicional caldo verde, alheira tradicional frita ou pataniscas de bacalhau”, informa o restaurante em comunicado. Além disso, poderá ainda saborear “camarão salteado ao alho, folhado de queijo da serra e mel e um chuleton minhoto maturado a 60 dias”.

No restaurante Cabriz, em Carregal do Sal, as opções são variadas e vão desde o tradicional cabrito ao polvo à lagareiro.

A cozinha está a cargo do chef Henrique Ferreira, sendo que os preços dos menus variam entre os 3,75 euros, no caso do folhado de queijo da serra e mel, e os 50 euros, no chuleton. As reservas podem ser feitas através do telefone (232 961 222), sendo que o Cabriz assegura a entrega gratuita em casa no conselho de Carregal do Sal, bem como nos de Nelas, Mangualde e Tondela. Nas encomendas superiores a 25 euros, seja para entrega ou levantamento no restaurante, é oferecida uma garrafa de vinho da marca Cabriz.

Mais a sul, na capital, o JNcQUOI at Home, é o mais recente serviço de entrega ao domicílio do grupo Amorim Luxury. O restaurante da Avenida da Liberdade apresenta “uma proposta irresistível para que a tradição continue a ser o que era”, aponta a empresa em comunicado.

Como entrada, os chefs sugerem presunto maldonado, mariscada para duas pessoas (camarão, lavagante e recheio de sapateira) e Lombo de Lavagante Frio com Maionese. Segue-se o prato de peixe, um caril verde de lavagante e medalhões de novilho com morilles e paletilha como pratos de carne. Para sobremesa, a sugestão dos chefs recai sobre as mais típicas sobremesas de Páscoa como folar doce, arroz doce e pão de ló de Ovar.

Para experienciar as qualidades gastronómicas dos chefs António Bóia e Mário Esteves, pode encomendar o menu da Páscoa pelo telefone (+351 219 369 900) ou e-mail (athome@jncquoi.com). As entregas na Grande Lisboa são gratuitas.

Ainda pela capital, as várias “esquinas” do chef Vítor Sobral estão preparadas para responder às necessidades dos lisboetas, com serviços de entrega às portas dos restaurantes. Na Tasca da Esquina, Peixaria da Esquina ou nas Padarias da Esquina (em Campo de Ourique, Restelo ou Alvalade), pode encomendar bacalhau com broa por 24 euros (para duas pessoas) ou polvo com damasco, amêndoas e alecrim por 27,45 euros. Caso prefira, um prato de carne, à escolha tem presuntinho de borrego por 19,50 euros ou, se tiver disposto a desembolsar um pouco mais, pode provar pá de cabrito com batata assada e esparregado por 30,50 euros.

Para sobremesa e como “manda” a tradição, há o tradicional folar, que pode custar entre nove e 16 euros, dependendo do peso. Além disso, pode sempre degustar o pão-de-ló da Páscoa por 17,5 euros ou um bolo de frutos secos e especiarias por 22,5 euros. As entregas são à porta dos restaurantes, sendo que as encomendas pode ser feitas através dos seguintes contactos: Tasca da Esquina: 919 837 255 ou info@tascadaesquina.com e Peixaria da Esquina: 91 294 6155 ou geral@peixariadaesquina.com.

O Talho da Esquina, situado na Grande Lisboa, é indicado para os amantes de carne.

Mas este não são os únicos espaços a cargo do chef Vítor Sobral. O Talho da Esquina, também em Lisboa, é mais indicado para os amantes de carne, sendo que à escolha tem cachaço de porco do montado por 12 euros, ou se preferir chambão estufado e arroz de legumes por 15 euros. Para finalizar, há mousse de chocolate por quatro euros ou baba de camelo por 3,5 euros. O restaurante está agora a funcionar em serviço de take away, e com entregas, de quarta a domingo, das 12 às 22 horas, em vários bairros da Grande Lisboa, como as Amoreiras, Rato, Estrela, Lapa, S. Bento, Bairro Alto, Santa Catarina, Madragoa, Santos, Cais do Sodré e Campo Ourique.

Ainda pela capital, o chef Tanka Sapkota propõe quatro formatos de refeição diferente, para todos os gostos. O “Cabaz de Páscoa” do Il Mercato é composto por uma degustação de charcutaria e queijos italianos, uma pasta fresca com ovos biológicos, carne de cabrito transmontano, sendo que para acompanhar este menu inclui uma garrafa de vinho e dois refrigerantes italianos. Para terminar, há e dois tiramisu e duas pannacotta de sobremesa. Tudo por 64, 80 euros.

Já a o restaurante Forno d’ Oro, tem um menu de quatro pizzas (a especialidade da casa) — presunto de porco preto de bolota, margherita DOP, diavola e alcachofras, cogumelos frescos e presunto de Parma –, que pode acompanhar com refrigerantes italianos e uma cerveja artesanal de 75 cl. Para finalizar, há também dois tiramisu e duas pannacotta de sobremesa. Tudo por 69,90 euros.

Mas se o seu paladar prefere uma refeição mais delicada e se estiver disposta a desembolsar um pouco mais, a Casa Nepalesa tem um menu por 89 euros. Para iniciar a refeição este o menu “Páscoa Nepalesa” inclui o “Missmass Pakaudi”, que são diferentes tipos de legumes fritos em massa de grão, seguindo-se o prato principal: um cabrito transmontano com espargos verdes frescos e molho de caril tradicional. Além disso, o menu inclui “gambas selvagens de Moçambique, com coco, natas e aroma de especiarias” e um “puré de beringela assada no forno de carvão com molho de especiarias”. Esta refeição é acompanhada por dois batidos de manga e uma garrafa de vinho. As sobremesas são arroz doce e gelado de manga com pistácio.

Já a “Degustação de Páscoa” do Come Prima inclui duas “beringelas alla Parmigiana”, dois “rigatoni com lascas de cabrito transmontano certificado e cogumelos porcini”, uma “pizza de presunto de Parma” e um “risotto com funghi porcini e trufa preta”. O menu, que custa 89 euros, inclui ainda uma garrafa de vinho, dois doces da casa e dois tiramisu “à moda do chef Tanka”, aponta o restaurante em comunicado.

De referir que as encomendas são feitas por telefone e que os preços dos menus dos quatro espaços do chef Tanka Sapkota são os aplicados na Uber Eats, caso se desloque ao restaurante tem 15% de desconto.

Na margem sul do Tejo, o restaurante Cavalariça na Comporta está, como os restantes estabelecimentos, temporariamente encerrado ao público, mas não é por isso que deixa de preparar refeições. Ao almoço, por exemplo, pode fazer um repasto por 65 euros para duas pessoas, com tudo o que tem direito: entrada, prato principal e sobremesa.

Este menu exclusivamente criado para a Páscoa inclui “pão inteiro com manteiga caseira” feita pela Cavalariça, uma entrada à escolha (parfait de fígados ou ervilhas com menta), uma perna de borrego assada, acompanhada com esparregado de espinafres e batatas ao sal e arroz e para, finalizar, pão-de-ló. As encomendas para o domingo de Páscoa, só podem ser feitas até sábado, sendo que deverão ser realizadas pelo Instagram do restaurante o para o seguinte e-mail: reservas@cavalaricacomporta.com.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ir às compras? Nestes restaurantes pode encomendar o almoço de Páscoa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião