Imobiliário rendeu 1.500 milhões até março. Vírus vai travar setor

Primeiro trimestre foi o segundo melhor trimestre de sempre na história do país. Mas o resto do ano vai trazer um abrandamento. 2020 deverá fechar abaixo dos 2.500 milhões.

O imobiliário está a ser um dos setores afetados pela atual crise, mas o primeiro trimestre conseguiu escapar a este tsunami. De acordo com a consultora CBRE, até março foram fechados 17 negócios imobiliários, num total de 1.500 milhões de euros, o segundo valor trimestral mais elevado de sempre. Contudo, para a totalidade do ano, o setor estima quebras de 30% face ao ano passado.

Entre janeiro e março, dos 42 imóveis que foram transacionados, a CBRE destaca a venda de uma participação num conjunto de centros comerciais constituído pelo Centro Colombo, o Centro Vasco da Gama, o CascaiShopping e o NorteShopping, que representou cerca de metade dos 1.500 milhões transacionados.

Além disso, foram vendidos dois portefólios, um com dez hotéis e outro com oito escritórios, refere o research da consultora. Assim, “o setor do comércio captou mais de 50% do total do investimento no trimestre”, com os hotéis a representarem 24% e os escritórios 19%. Do montante associado a estas operações, cerca de 75% do investimento veio de investidores internacionais.

Os números registados nos primeiros três meses do ano dão continuidade à tendência bastante positiva observada no último trimestre do ano passado, em que foram transacionados 1.700 milhões de euros no mercado, um recorde para o mercado nacional. Estes 1.500 milhões do primeiro trimestre “excedem já o valor total captado em 2007, antes da crise”, refere a CBRE.

Para a totalidade do ano, o mercado esperava que fosse batido um novo recorde face aos 3.500 milhões de euros registados em 2019, mas as expectativas estão agora mais baixas, devido à crise que está a gerar incerteza no setor. Ainda assim, a CBRE acredita que dentro de três meses o mercado vai começar a recuperar e que será possível fechar o ano entre os 2.000 e os 2.500 milhões de euros em negócios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imobiliário rendeu 1.500 milhões até março. Vírus vai travar setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião