FMI vê taxa de desemprego a duplicar em Portugal este ano

Em 2020, a taxa de desemprego vai subir para o nível mais elevado desde 2014 em consequência da contração de 8% da economia prevista pelo Fundo Monetário Internacional.

A contração de 8% da economia portuguesa em 2020 vai ter um impacto direto e muito significativo no mercado de trabalho. Com muita da economia com mão-de-obra intensiva, como é o caso do turismo, a taxa de desemprego vai disparar por causa da pandemia, antevê o Fundo Monetário Internacional no World Economic Outlook (WEO) divulgado esta terça-feira.

Esta queda do PIB terá um forte impacto no mercado de trabalho com a taxa de desemprego a mais do duplicar dos atuais 6,5% para os 13,9%, nas contas do FMI. Uma subida do desemprego desta dimensão apagaria toda a melhoria registada desde o final de 2014. Ainda assim, a taxa de desemprego ficaria aquém dos 16,2% registados em 2013, o pior ano da crise das dívidas soberanas para Portugal.

Contudo, à semelhança do que acontece com a recuperação do PIB, também o emprego irá recuperar em 2021, reduzindo a taxa de desemprego para os 8,7%. Apesar de se manter num nível superior ao de 2019, a taxa de desemprego ficaria assim a um nível semelhante ao de 2017.

Estas previsões do Fundo têm como pressuposto que a pandemia irá começar a desvanecer no segundo semestre de 2020, permitindo uma redução gradual das medidas de contenção. Assim, o impacto económico será mais severo no segundo trimestre na maior parte dos países, exceto na China (em que foi no primeiro trimestre).

Esta evolução do mercado de trabalho em Portugal é semelhante à que é prevista pelo FMI para Espanha, cujo PIB também deverá contrair 8%. A taxa de desemprego espanhola subirá dos já elevados (em termos internacionais) 14,1% em 2019 para os 20,8% em 2020. A recuperação da economia espanhola de 4,3% em 2020 permitirá a taxa baixar para os 17,5%.

Já em Itália o impacto da quebra do PIB de 9,1% no mercado de trabalho será menor dado que a taxa de desemprego deverá subir de 10% para os 12,7% em 2020, recuperando logo para os 10,5% em 2021. Em média, na Zona Euro, a taxa de desemprego vai subir de 7,6% para os 10,4% em 2020, baixando para 8,9% em 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI vê taxa de desemprego a duplicar em Portugal este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião