IVA reduzido nas máscaras? Regras europeias não permitem, diz o Governo

As regras europeias de IVA não permitem que haja isenção de IVA ou taxa reduzida nas compras internas ou intracomunitárias de equipamento médico, esclareceu Mendonça Mendes.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, esclareceu esta quinta-feira no Parlamento que as regras europeias não permitem que as compras domésticas e intracomunitárias tenham uma taxa reduzida ou de zero do IVA. Tal deverá impedir, portanto, a proposta de Rui Rio de baixar o IVA.

Mendonça Mendes explicou que as regras do IVA são maioritariamente definidas ao nível da União Europeia, recordando a decisão da Comissão Europeia, seguida pelo Estado português, de isentar de IVA as importações (vindas de fora da UE) de material de saúde. Apenas as importações, vincou.

Contudo, tal não é possível ser feito para as compras dentro do mercado único: “A Comissão Europeia relembrou que as regras em vigor impedem taxa reduzida ou zero para o comércio doméstico e para as aquisições intracomunitárias”. Ou seja, “as atuais regras não permitem fazê-lo”.

Porém, a questão parece não estar completamente fechada. António Mendonça Mendes referiu uma decisão de 2016 da Comissão Europeia que agora os Estados-membros estão em “consultas mútuas” para perceber a interpretação de Bruxelas. Em causa está o facto de “por regra” não haver “procedimentos de infração” numa fase inicial, o que poderá abrir a porta a que os Estados-membros façam uma exceção temporária para isentar o IVA do equipamento médico nas compras internas para a pandemia.

Não estamos a entrar aqui em nenhuma polémica. Estamos a mobilizar todos os recursos que temos. Estamos a respeitar todas as regras de IVA”, garantiu o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

Esta quinta-feira o líder do PSD, Rui Rio, disse que vai propor uma redução na taxa de IVA de 23% para 6% sobre as máscaras e gel. Esta descida tem sido pedida também por pessoas ou instituições que querem adquirir materiais de saúde para doar a quem precise.

No entendimento do PSD, “a Comissão Europeia não proíbe essa redução da taxa do IVA, pelo contrário”, disse Joaquim Miranda Sarmento, porta-voz do PSD para as Finanças Públicas, à Lusa. “O que nós entendemos é que, se o Governo quiser, tem margem para legislar“, apontou, acrescentando que o PSD só defende a redução da taxa do IVA enquanto “a DGS decretar que a utilização de máscaras é fortemente recomendada” na prevenção do Covid-19, voltando depois aos 23% de IVA.

Recorde-se que a 3 de abril, a Comissão Europeia anunciou a suspensão temporária das tarifas alfandegárias e IVA sobre as importações de equipamento médico “para contribuir para o combate” à pandemia. Essa isenção aplica-se às máscaras e equipamentos de proteção, a kits de despistagem da doença e ventiladores.

O Estado português também decidiu isentar de IVA os donativos feitos por empresas a hospitais públicos, instituições de solidariedade ou ONG na sequência da pandemia.

(Notícia atualizada às 22h45 com a explicação do PSD)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IVA reduzido nas máscaras? Regras europeias não permitem, diz o Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião