Com ensino à distância assegurado, universidades afastam corte de propinas

  • ECO
  • 17 Abril 2020

O presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas diz que o ensino à distância está a ser assegurado e que, por isso, um corte nas propinas não se equaciona.

Nesta altura de crise, as universidades estão a garantir o ensino à distância a todos os alunos e, para isso, as instituições recorrem a aulas em streaming, programas adaptados e provas públicas de mestrado e doutoramento. Até ao momento, garante o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) ao Jornal de Negócios (acesso pago), “a resposta das instituições está a ser muito positiva”.

Por isso mesmo é que a suspensão das propinas (um adiamento do pagamento), tal como propôs a Associação Académica de Lisboa, não é uma proposta que está em cima da mesa. “Reuni esta semana com os representantes de departamento e posso garantir que o ensino à distância está a ser lecionado”, disse António Fontainha Fernandes, referindo que “em alguns casos a assiduidade dos alunos é até maior”. E acrescenta que a lei diz que o ensino à distância tem de ser assegurado. Mas admite que possa haver um “reajustamento da propina” se tal não acontecer.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Com ensino à distância assegurado, universidades afastam corte de propinas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião