Já estão abertas candidaturas para formação em lay-off

As candidaturas para o lay-off com formação e para o plano extraordinário de formação (uma alternativa ao lay-off que evita os cortes salariais) já estão abertas.

As candidaturas para o lay-off com formação e para o plano extraordinário de formação (uma alternativa ao lay-off que evita os cortes salariais) já estão abertas. De acordo com notas divulgadas pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), os formulários já estão disponíveis online.

Face aos efeitos da pandemia de coronavírus na atividade das empresas, o Governo preparou uma série de apoios, incluindo um novo regime de lay-off mais simplificado e flexível destinado aos empregadores afetados por este surto.

No diploma que definiu as regras dessa medida, o Executivo de António Costa estabeleceu que os empregadores em crise empresarial podem candidatar-se a um apoio extraordinário à formação, caso não avancem para o lay-off, ou colocar os seus trabalhadores em ações de formação com uma bolsa, caso decidam recorrer a esse regime.

Quase um mês depois de o Governo ter aberto a porta ao novo lay-off, o IEFP abre agora candidaturas a estas duas outras medidas, que também estão incluídas no decreto-lei 10-G.

Por um lado, o apoio extraordinário à formação está disponível apenas para os empregadores que se encontrem em crise empresarial, mas não recorram ao lay-off, sendo atribuída uma bolsa por cada trabalhador, cujo valor varia em função das horas de formação frequentadas, tendo como limite 50% da retribuição ilíquida e com o teto máximo 635 euros.

Este apoio é concedido apenas a tempo parcial (não deve ultrapassar metade do horário de trabalho) e durante um mês. O objetivo é preservar os postos de trabalho e reforçar as competências dos trabalhadores.

Em alternativa, os empregadores que já avançaram para lay-off até ao momento a Segurança Social já recebeu mais de 85 mil pedidos nesse sentido — têm à sua disposição um complemento também baseado na formação a esse regime que suspende contratos e reduz horários de trabalho.

O chamado lay-off com formação dá direito a uma bolsa equivalente a 30% do Indexante dos Apoios Sociais (cerca de 131 euros), que é repartida em partes iguais pelo empregador e pelo emprego. No caso do trabalhador, esse valor acresce à compensação de, pelo menos, dois terços do salário original, que lhe são pagos em 70% pela Segurança Social e em 30% pelo patrão, por via do lay-off. Esta medida também tem a duração de um mês.

Têm acesso a estas medidas, os empregadores que se encontrem num dos três seguintes tipos de crise empresarial: quebra da faturação de, pelo menos, 40%, nos 30 dias anteriores face à média dos dois meses que precederam o pedido ou face ao período homólogo; paragem total ou parcial da atividade resultante da interrupção das cadeias de abastecimento ou da suspensão de encomendas; ou encerramento total ou parcial da empresa ou estabelecimento decorrente do estado de emergência.

De acordo com o IEFP, em ambas as modalidades, os empregadores precisam de estar registados na plataforma online do instituto para avançarem com a sua candidatura.

(Notícia atualizada às 17h18)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já estão abertas candidaturas para formação em lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião