Governo “ensina” saúde mental e gestão de teletrabalho em webinars para Administração Pública

Liderança, teletrabalho, segurança e saúde mental são alguns dos temas trabalhados por 25 entidades e a pensar nas necessidades da Administração Pública durante e no pós-pandemia.

O Governo vai lançar uma série de webinars a pensar nas necessidades da Administração Pública durante e no pós-pandemia. O plano de trabalho colaborativo foi desenvolvido por equipas de áreas como a Saúde ou a Marinha, num total de 68 pessoas de 25 entidades.

Estes webinars pensados para a Administração Pública através do centro de formação INA, serão lançados na próxima semana e fazem parte de um conjunto de 22 projetos em áreas como liderança, teletrabalho, segurança e saúde no trabalho e saúde mental.

“Esta modalidade de teletrabalho existia há vários anos, mas de forma mais dispersa. Por virtude deste contexto, tivemos de acelerar o processo. Foi fundamental disponibilizar ferramentas para permitir que as pessoas continuem a produzir, mas sem descurar a condição física e mental dos trabalhadores”, explica a secretária de Estado da Inovação e Modernização Administrativa, Maria de Fátima Fonseca, em conversa com a Pessoas/ECO.

Desenvolvidos a partir de um trabalho colaborativo e feito totalmente à distância, estes cursos são um dos “braços” criados para dar ferramentas aos trabalhadores da Administração Pública, por forma a, por um lado, conseguirem cumprir os planos de trabalho predefinidos e, por outro, serem capazes de harmonizar os planos profissional e pessoal, neste novo contexto. “Houve desde o início deste processo dois grandes desafios: uma adaptação mais rápida a ferramentas digitais e, por outro lado, a aprendizagem por parte de quem organiza, na gestão da carga de trabalho colocada sobre a responsabilidade de cada trabalhador”, detalha Maria de Fátima Fonseca, sublinhando a importância “de uma gestão do modelo de trabalho em si”. “Outro desafio que se coloca é a quebra de uma fronteira física, uma preocupação que é transversal na gestão do equilíbrio entre as esferas profissional e pessoal”.

Encontrar ferramentas que permitissem capacitar os trabalhadores para uma nova realidade de trabalho foi, afirma a secretária de Estado, “uma prioridade absoluta”. “Procurámos dar resposta a um calendário indefinido. Obviamente a modernização faz-se com estas equipas motivadas mas obviamente capacitadas. Tem sido uma prova que a Administração Pública tem superado com muita distinção. Não só não parou como conseguiu produzir respostas muito rápidas e reforçar dinâmicas colaborativas”.

Colaborativa e remotamente

O plano colaborativo criado pela Secretaria de Estado é composto por seis áreas de trabalho: desenvolvimento de guias e instrumentos de apoio prático, segurança e saúde no trabalho, promoção da inovação, difusão de informação e comunicação e qualidade dos conteúdos informativos e formação à distância.

Noutra vertente, a Secretaria de Estado lançou também um conjunto de guias práticos que têm como objetivo ser um “apoio direto às exigências deste novo ambiente de trabalho”. “Vários guias estiveram a ser produzidos em simultâneo — para a segurança e saúde no trabalho, de apoio mais direto aos gestores de equipas e sobre as exigências da liderança no ambiente de trabalho digital e de teletrabalho. Neles encontramos um conjunto de experiências, testemunhos e orientações da experiência prática de dirigentes da administração pública, com enquadramento conceptual mas sobretudo conceitos práticos”, explica ainda a secretária de Estado.

Os cursos decorrem a partir de 28 de abril e até 14 de maio e têm participação sujeita a inscrição. Mais informações no site do INA.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo “ensina” saúde mental e gestão de teletrabalho em webinars para Administração Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião