Onde, como e quem pode pedir. Saiba como vai funcionar o “selo de garantia” para as empresas do turismo

As empresas ligadas ao turismo, desde hotéis a restaurantes, já podem pedir o selo de garantia "Clean & Safe", que garante aos turistas o cumprimento das recomendações de higiene e segurança.

O turismo já começa a pensar numa retoma da atividade e a principal preocupação é, claro, o verão. Para isso, o Governo decidiu com o setor que iria ser criado um selo de garantia para distinguir os estabelecimentos, como hotéis e restaurantes, que cumprem as recomendações de segurança e higiene, com o objetivo de dar mais confiança aos turistas. Mas quem pode pedir este selo? Onde e como pedir? O Turismo de Portugal explica.

Vai ser uma espécie de carimbo, chamado “Clean & Safe”, que vai “distinguir as atividades turísticas que asseguram o cumprimento de requisitos de higiene e limpeza para prevenção e controlo da Covid-19 e de outras eventuais infeções”, diz o Turismo de Portugal, que será responsável pela atribuição deste selo, em comunicado.

Este carimbo pode ser pedido por todos os empreendimentos turísticos, desde restaurantes a hotéis, a empresas de animação turística e agências de viagens. Ou seja, “empresas que possuem registo junto da Autoridade Turística Nacional”, refere o Turismo de Portugal.

Este selo será gratuito e terá validade de um ano. Contudo, exige que as empresas implementem um “protocolo interno que, de acordo com as recomendações da Direção-Geral da Saúde, assegura a higienização necessária para evitar riscos de contágio e garante os procedimentos seguros para o funcionamento das atividades turísticas”.

O “carimbo” pode ser pedido a partir desta sexta-feira, online, nas plataformas do Turismo de Portugal: Registo Nacional dos Empreendimentos Turísticos (RNET), Registo Nacional dos Agentes de Animação Turística, (RNAAT) e Registo Nacional dos Agentes de Viagens e Turismo (RNAVT). Ficará sempre associado ao número de registo da entidade.

Depois de as empresas submeterem a declaração de compromisso, podem utilizar o selo “Clean & Safe” fisicamente nas instalações e nas plataformas digitais, diz o Turismo de Portugal, que alerta, contudo, que, “em coordenação com as entidades competentes, irá realizar auditorias aleatórias”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Onde, como e quem pode pedir. Saiba como vai funcionar o “selo de garantia” para as empresas do turismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião