FC Porto convoca credores para adiar pagamento de dívida

A SAD do FC Porto convocou os credores que lhe emprestaram 35 milhões de euros com o objetivo de adiar o pagamento da dívida previsto para 9 de junho. A assembleia geral será no dia 19 de maio.

Pinto da Costa e Fernando Gomes, presidente e administrador financeiro da SAD do FC Porto, na sessão de apuramento dos resultados do empréstimo obrigacionista.Paula Nunes/ECO

Em comunicado enviado esta noite à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a SAD do Futebol Clube do Porto anuncia que vai convocar uma assembleia geral de titulares de obrigações denominadas “FC PORTO SAD 2017-2020” com o objetivo de adiar o pagamento que estava previsto para junho deste ano.

O objetivo, explica a SAD, é alterar os “termos e condições das Obrigações FC Porto SAD 2017-2020, em particular da alteração da data de maturidade para 9 de junho de 2021”.

Esta emissão de dívida foi comunicada ao mercado em maio de 2017, tendo o FC Porto anunciado na altura a venda de 30 milhões de euros em obrigações, montante que mais tarde seria aumentado para 35 milhões de euros.

Estas obrigações pagavam um juro bruto de 4,29% e o reembolso estava previsto para o próximo dia 9 de junho de 2020. É esta data que a SAD liderada por Pinto da Costa quer adiar em um ano, prometendo agora fazer o reembolso a 9 de junho de 2021.

Num outro comunicado enviado à CMVM, com a data de 27 de abril, o FC Porto diz que a assembleia geral de obrigacionistas vai realizar-se a 19 de maio, “exclusivamente por meios telemáticos”. Veja aqui a convocatória para a AG.

O Conselho de Administração, no comunicado enviado à CMVM, não revela a razão para este adiamento, mas não é difícil adivinhar que o motivo são as dificuldades de mercado e as dificuldades financeiras que as sociedades desportivas estão a enfrentar, já que a pandemia do Covid-19 levou à suspensão das competições.

Esta possibilidade já tinha sido avançada este domingo pelo administrador financeiro do clube, Fernando Gomes, ao jornal O Jogo. “O que faríamos normalmente seria o lançamento de um novo empréstimo obrigacionista no mesmo valor e com a mesma taxa”, disse ao jornal desportivo, justificado que, como não há condições de mercado, a alternativa é propor o prolongamento da emissão por mais um ano, nas mesmas condições de juro.

A renovação da emissão obrigacionista não é o único problema da administração da SAD do FC Porto, liderada por Jorge Nuno Pinto da Costa.

As contas da SAD do Porto já estavam sob pressão antes da pandemia da Covid-19 e da paragem do campeonato. Sob supervisão da UEFA ao abrigo do ‘fairplay’ financeiro, uma espécie de troika na gestão dos clubes, a SAD do FC Porto apresentou um resultado líquido consolidado negativo de 51,854 milhões de euros no primeiro semestre da época desportiva 2019/20, justificado pela qualificação falhada para a Liga dos Campeões de futebol.

Agora, por causa da Covi-19, o FC Porto e o Sporting decidiram fazer cortes nos salários dos jogadores na ordem dos 40%, enquanto o Benfica ainda não avançou com qualquer medida.

Esta não é a primeira vez que uma sociedade desportiva em Portugal pede aos credores para adiar o pagamento das obrigações. Em 2018, a SAD do Sporting também pediu aos credores para adiar a maturidade de 30 milhões de euros de obrigações que venciam naquele ano para evitar o default, numa altura de grande turbulência no clube por causa dos ataques à Academia de Alcochete.

(Notícia atualizada no dia 27 de abril, com informação sobre a data de realização da assembleia de obrigacionistas)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FC Porto convoca credores para adiar pagamento de dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião