Prestações da casa ficam mais caras em maio. É a maior subida desde a última crise

Famílias cuja taxa do crédito da casa sejam revista neste mês vão ver a prestação subir entre 0,1% e 2,5%. Nos créditos com Euribor a 3 e 6 meses, será o maior agravamento desde a crise de 2011.

A pandemia traz uma pesada fatura para a vida financeira de muitas famílias confrontadas com a perda do emprego ou de rendimentos. Quem não tiver recorrido às moratórias e revir as condições do crédito à habitação, neste mês de maio, vai sentir uma pressão adicional. A prestação da casa vai sofrer o maior agravamento desde a última crise financeira.

O agravamento da prestação vai de um mínimo de 0,1% até ao máximo de 2,5%. Neste quadro, os contratos com os indexantes mais curtos — Euribor a três e seis meses — são os mais penalizados.

Considerando o cenário de um empréstimo no valor de 100 mil euros, por um prazo de 30 anos, e com um spread de 1%, os créditos associados à Euribor a três meses vão ver a prestação subir 2%. Trata-se do maior aumento desde a revisão feita em agosto de 2011, em pleno pico da crise financeira em Portugal. Serão mais 6,11 euros que elevarão o valor da prestação para os 310,11 euros durante os próximos três meses. Ou seja, a fasquia mais elevada dos últimos quatro anos.

Já os agregados cujos empréstimos da casa estejam associados à Euribor a seis meses, sofrem o acréscimo mais elevado de encargos. Partindo do mesmo cenário, o valor da prestação aumenta 2,5% (+7,62 euros) — o maior incremento desde a revisão de maio de 2011 –, para se fixar nos 312,9 euros. Seria necessário recuar três anos e meio, até outubro de 2016, para que esses agregados pagassem uma prestação mais elevada.

As famílias com contratos indexados à Euribor a 12 meses — que representam uma pequena fatia do total dos empréstimos da casa em Portugal — também veem os encargos mensais subir. Mas o aumento será muito ligeiro face à revisão efetuada há um ano. O acréscimo é de 0,1% (+18 cêntimos), para os 316,7 euros.

Euribor a três meses em máximos de 2016

Fonte: Reuters e Lusa

O aumento dos encargos com o crédito da casa surge no seguimento da subida das Euribor que se intensificou em meados de março, no seguimento do agudizar da crise pandémica.

Situação que coincide com o crescendo das reticências relativamente à capacidade que os bancos, sobretudo daquelas economias que serão mais vulneráveis à recessão que se avizinha — como Itália, Espanha e Portugal — terão em garantir o financiamento às famílias e empresas dos respetivos países sedentas por liquidez.

Caso se vejam confrontados com cortes de rating, vão enfrentar maior resistência no acesso a liquidez junto dos restantes bancos, conduzindo a uma pressão nos custos de financiamento no mercado interbancário. Tal acaba por refletir-se num agravamento dos indexantes dos empréstimos e, em particular, pesar mais no bolso de quem tem crédito à habitação.

Analistas consultados recentemente pelo ECO não mostraram, contudo, especial preocupação no que respeita à evolução dos encargos com o crédito da casa face à recente subida dos indexantes. “Para as famílias, estes movimentos são para já apenas marginais“, afirmava Filipe Garcia, economista da IMF, salientando que “as Euribor continuam em níveis muito baixos”.

Estes têm vindo, contudo, a tornar-se cada vez menos negativos, estando já em níveis máximos da primeira metade do ano de 2016 nos prazos mais curtos. Mas a expectativa do mercado vai no sentido de que se mantenham abaixo de 0% pelo menos até março de 2025, segundo mostram os futuros para a Euribor a três meses.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prestações da casa ficam mais caras em maio. É a maior subida desde a última crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião