“Importa apostar decisivamente na literacia mediática”, diz Nuno Artur Silva

  • Lusa
  • 3 Maio 2020

Nuno Artur Silva, secretário de Estado que tutela os media, sublinha a importância da literacia mediática, numa altura em que a desinformação prolifera nas redes sociais.

O secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media defendeu este domingo que, além da “absoluta indispensabilidade” da continuidade da luta pela salvaguarda das liberdades de expressão e de informação, “importa apostar decisivamente na literacia mediática”. Numa mensagem a propósito do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, que se celebra este domingo, Nuno Artur Silva sublinha a importância da literacia mediática, numa altura em que a desinformação prolifera nas redes sociais.

“Nestes termos, nesta data em que se assinala o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa cumpre sublinhar que esta, para além de constituir um óbvio direito profissional dos jornalistas, é também um direito fundamental de cada cidadão e da sociedade“, pelo que “reafirmamos, assim, o nosso comprometimento na sua defesa, quer numa perspetiva de proteção das ameaças que a assolam, quer de fomento das competências de que os cidadãos necessitam para tornar efetivas”, acrescenta Nuno Artur Silva.

O governante recorda que a liberdade de expressão está integrada no quadro dos Direitos Humanos fundamentais protegidos pela Declaração Universal dos Direitos do Homem.

“Trata-se de uma “pedra angular” das democracias modernas, em regra merecedora de proteção constitucional. Na Constituição da República Portuguesa está consagrada no artigo 37.º, a que se segue como seu corolário indispensável a Liberdade de Imprensa, devidamente tratada no artigo 38.º”, aponta.

“Apesar da sua longevidade e constante evocação, sobretudo no mundo ocidental, as liberdades de expressão e de imprensa são frágeis, não podendo ser dadas como adquiridas, mesmo nas sociedades mais abertas e ditas democráticas”, salienta, apontando dados reportados por organizações independentes que se dedicam à sua monitorização que revelam “com alguma frequência inquietantes atropelos”.

Além disto juntam-se os registos recentes de perseguições e assassinatos de jornalistas mesmo em países europeus, sublinha o governante.

“A realidade aconselha, pois, à adoção de uma atitude permanente de vigilância e de proteção destas liberdades fundamentais, que, por sua vez, se repercutem diretamente no direito, igualmente fundamental, dos cidadãos a serem corretamente informados”, prossegue o secretário de Estado, acrescentando que as estes desafios somam-se “os derivados da avassaladora omnipresença dos novos recursos de comunicação que a Internet disponibilizou”.

Nuno Artur Silva dá o exemplo dos dados obtidos pelo Worldmeters.info, site que disponibiliza dados estatísticos sobre vários tópicos em tempo real.

“Segundo esta fonte, no dia 28 abril de 2020, pelas 16:15, somos mais de 4.550 milhões de utilizadores de internet, a fazer mais de 4.909 milhões de buscas no Google, a enviar cerca de 177.700 milhões de emails, a escrever mais de 4.650.000 mensagens em blogs e a postar cerca de 528 milhões de ‘tweets’ por todo o mundo. Estes números gigantescos dão uma rápida ideia da dimensão do tráfego diário na internet”, refere o secretário de Estado.

“A partir de tais números, poderemos também imaginar a quantidade de desinformação e de notícias falsas que circulam por todas estas vias eletrónicas“, afirma, recordando que a “desinformação, recentemente apelidada de infodemia pela Organização Mundial da Saúde, a propósito das notícias falsas sobre a covid-19 que circulam a grande velocidade nas redes sociais, tem efeitos pandémicos igualmente nefastos“.

A desinformação e as notícias falsas, com pandemia ou sem ela, “constituem um flagelo permanente que tem de ser combatido com energia e coragem, quer pelos jornalistas francamente comprometidos com a sua profissão, quer pelos cidadãos, que, para tal, necessitam de adquirir armas eficazes para poderem enfrentar, com sucesso, os constantes ataques (des)informativos”, defende o governante.

E uma das armas “mais eficazes” é a literacia mediática, ou seja, o “domínio de um conjunto de saberes e de competências” que permitam aos cidadãos “saber procurar, guardar, arrumar, partilhar, citar, tratar e avaliar a informação pertinente, atentando também à credibilidade das fontes; compreender criticamente os media e a mensagem mediática, no sentido de perceber quem produz, o quê, porquê, para quê, por que meios; e expressar e comunicar ideias através do uso criativo e responsável dos media, exercendo uma participação cívica eficaz”.

Estas competências “revelam-se essenciais para que as liberdades de expressão e de imprensa tenham conteúdo e não sejam meramente formais”, tratando-se de “condições sine qua non para que aquelas sejam reais”, conclui Nuno Artur Silva.

Este domingo arranca a iniciativa 7 Dias com os Media, que decorre até 9 de maio, realizada anualmente desde 2013 pelo GILM – Grupo Informal sobre Literacia Mediática, mas este ano sem sair de casa, devido à covid-19.

O arranque de 7 Dias com os Media 2020 sem sair de casa conta com a participação do secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media no debate online sobre Liberdade de Expressão e Literacia Mediática.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Importa apostar decisivamente na literacia mediática”, diz Nuno Artur Silva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião