Dívida pública encolhe. Portugal usa “almofada” em plena pandemia

Dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal mostram uma diminuição de 596 milhões de euros na dívida.

A dívida pública nacional recuou no mês em que o coronavírus chegou a Portugal. A quebra de 596 milhões de euros face a fevereiro, levou o total do stock para 254.776 milhões em março, segundo mostram os dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal. Este é o valor mais baixo desde janeiro.

A crise do coronavírus está a pressionar as contas públicas devido à exigência das medidas de apoio à economia. Essa pressão levou a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP a reajustar o programa de financiamento do país e a acelerar as emissões de dívida.

No entanto, esse efeito ainda não se fez sentir na dívida na ótica de Maastricht (a que conta para Bruxelas), que recuou em março, devido à saída de dinheiro dos depósitos do Estado. “Para esta diminuição contribuiu o decréscimo dos títulos de dívida e das responsabilidades em depósitos“, explica o Banco de Portugal.

Os ativos em depósitos das administrações públicas diminuíram em mil milhões de euros, indicando que Portugal está a usar a almofada financeira. Nesse sentido, a dívida líquida de ativos em depósitos das administrações pública registou o sentido contrário: aumentou em 430 milhões de euros para 235.127 milhões.

Total da dívida desce. Excluindo depósitos, sobe

Fonte: Banco de Portugal

Portugal fechou o ano passado com a dívida pública a cair para 249.980 milhões de euros, o equivalente a 117,6% do Produto Interno Bruto (PIB). Antes da pandemia, o Governo esperava nova queda em 2020, perspetivando um decréscimo para 116,2% do PIB no final do ano. No entanto, o vírus vai mudar estas contas.

O Governo ainda não atualizou as projeções económicas, mas a estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI) é que a dívida pública portuguesa aumente 17,4 pontos percentuais num só ano. Passaria assim para 135% do PIB.

A concretizar-se, o aumento coloca praticamente de parte o objetivo do Governo de baixar a dívida pública para os 100% até ao final da legislatura. Apesar de ser um novo máximo histórico, os 135% previstos pelo FMI não ficam muito longe do anterior pico registado em 2014 de 132,9% do PIB.

(Notícia atualizada às 11h30)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Dívida pública encolhe. Portugal usa “almofada” em plena pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião