Lucros do BPI afundam com provisões para o Covid-19. “É o tempo de maximizar a prudência, não os lucros”, diz Forero

O BPI registou lucros de 6,3 milhões no primeiro trimestre do ano, o que representa uma descida de 87%. Banco colocou de lado 32 milhões de euros para possíveis perdas com crédito devido à pandemia.

O BPI viu os lucros afundarem 87% para 6,3 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, devido ao impacto da pandemia de Covid-19, que forçou o banco a constituir imparidades do montante de 32 milhões de euros para fazer face a eventuais problemas com incumprimento no crédito. Pablo Forero fala em “maximização da prudência”.

“O resultado consolidado é inferior em 87% em relação ao do primeiro trimestre de 2019 devido ao impacto de fatores relacionados com a crise da pandemia de Covid-19, nomeadamente, queda nos mercados financeiros e reforço de imparidades para fazer face a impactos futuros que, em conjunto, tiveram um impacto negativo de 47 milhões de euros no resultado antes de impostos“, justifica o BPI em comunicado.

É o tempo de maximizar a prudência e não os lucros“, disse Pablo Forero, CEO do BPI, na apresentação de resultados. “Decidimos fazer o reforço de imparidades é por uma questão prudência, antes de acontecer. (…) Estamos a antecipar o que pode acontecer nos próximos trimestres”, explicou o gestor que está de saída da liderança do banco.

Além das imparidades, o banco diz que registou perdas de 14 milhões com ativos financeiros, nomeadamente com a desvalorização de obrigações, devido à turbulência nas bolsas. “É uma perda que já estamos a recuperar, com a normalização dos mercados”, referiu Forero.

Apresentação dos resultados do 1º semestre do BPI - 29JUL19
Créditos: Hugo Amaral/ECOHugo Amaral/ECO

O banco diz que apresenta uma posição financeira sólida, “refletida na elevada qualidade dos ativos e forte capitalização, que lhe permitirá enfrentar a atual crise e contribuir para a recuperação económica”.

Adianta que o rácio de ativos não produtivos (NPE) melhorou 0,2 pontos face a dezembro para 2,3% e que a cobertura de NPE atinge os 125% com imparidades e colaterais.

Já os rácios de capital (fully loaded) aumentaram, com o BPI a cumprir “os requisitos dos supervisores por margem significativa”: o rácio Common Equity Tier 1 é de 13,7%, o rácio Tier 1 é de 15,2% e rácio capital total é de 16,9%. A este propósito, o banco lembra que cancelou os dividendos que ia pagar este ano à casa-mãe CaixaBank.

Dos lucros de 6,3 milhões, 4,4 milhões dizem respeito à atividade em Portugal. Já o contributo das participações no angolano BFA e moçambicano BCI foi de 1,9 milhões de euros no primeiro trimestre.

O banco explica que o resultado foi ainda penalizado pela contabilização no primeiro trimestre de 2020 da totalidade da contribuição bancária de 15,5 milhões de euros — em 2019, esta contribuição foi contabilizada ao longo do ano.

“Estava a ser um trimestre ótimo”

O BPI diz que estava a registar um bom desempenho no seu negócio no primeiro trimestre. “Estava a ser um trimestre ótimo. Grande confiança dos consumidores, grande confiança dos investidores, a economia a crescer”, referiu Pablo Forero.

Isso refletiu-se na procura de crédito, acrescentou o espanhol. A carteira de empréstimos subiram quase 5% face ao mesmo período do ano passado, superando os 24,5 mil milhões de euros. A produção de crédito hipotecário praticamente duplica em termos homólogos para 452 milhões de euros no primeiro trimestre de 2020.

Os depósitos de clientes aumentaram 765 milhões de euros em três meses, uma subida de 3,4% face a dezembro de 2019. Totalizam os 23,5 mil milhões de euros.

O produto bancário subiu 2,6% para 176,5 milhões de euros. E a margem financeira registou um aumento de 2,9% para 109,9 milhões de euros entre janeiro e março.

O banco já anunciou esta manhã que o atual CEO, Pablo Forero, vai para a reforma e que o administrador João Pedro Oliveira e Costa, 54 anos, é o nome indicado para o suceder. Forero esclareceu que Fernando Ulrich vai permanecer como presidente do conselho de administração do banco.

(Notícia atualizada às 13h10 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros do BPI afundam com provisões para o Covid-19. “É o tempo de maximizar a prudência, não os lucros”, diz Forero

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião