Suspensão do IMI, taxa turística e das rendas. Hotelaria pede ajuda aos municípios

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) enviou uma carta aos municípios a sugerir várias medidas de estímulos ao setor e à economia. Só assim se poderá "garantir a visita e estadia de turistas".

Com o verão cada vez mais perto, a hotelaria já pensa em começar a abrir portas, mas mostra-se preocupada com a vinda de turistas e hóspedes para o país. Para minimizar essa preocupação, a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) pensou num conjunto de estímulos às empresas do setor e, para isso, apelou a vários municípios do país para os porem em prática. Da isenção de taxas a impostos, conheça as propostas do setor.

Numa carta enviada à Associação Nacional de Municípios (ANM) e a vários municípios do país, a AHP propôs um conjunto de medidas para estimular as empresas hoteleiras e a economia local, refere a associação, em comunicado. Medidas essas que considera “pertinentes”, tendo em conta a “dramática situação” em que se encontra o setor hoteleiro:

  • Isenção da taxa turística até ao final de 2021 nos concelhos onde esta já exista ou esteja a ser planeada;
  • Isenção de outras taxas e impostos municipais (IMI, Proteção Civil, Saneamento e Gestão de Resíduos) até ao final de 2020;
  • Suspensão da taxa de ruído;
  • Prolongamento do período de suspensão de cobrança de todas as taxas relativas a ocupação do espaço público e publicidade até ao final do ano;
  • Isenção integral do pagamento de rendas todos os hotéis e unidades de Alojamento Local coletivo que se encontrem encerrados e estejam arrendados em espaços municipais;
  • Transportes públicos gratuitos para todos os turistas, residentes e trabalhadores durante os primeiros três meses de retoma, pelo menos até ao final de 2020;
  • Isentar os hóspedes dos hotéis e unidades de Alojamento Local coletivo do pagamento de entradas em todos os espaços culturais e equipamentos geridos pelas Câmaras Municipais nos primeiros três meses após a retoma, pelo menos até ao final de 2020, “cabendo aos referidos estabelecimentos disponibilizar os bilhetes gratuitamente aos seus hóspedes”.

Para além destas medidas, que considera fundamentais, a AHP defende ainda que a maior parcela da taxa turística seja alocada para apoiar congressos em vez de outros investimento e a suspensão/adiamento do projeto ZER (Zona de Emissões Reduzidas na Avenida-Baixa-Chiado).

Além disso, propõe o aumento das verbas de promoção na Associação de Turismo de Lisboa para “ativar uma mega campanha de comunicação de relançamento do destino”, “adaptar o instrumento de apoio à captação de rotas aéreas para a cidade, em parceria com a ANA e o Turismo de Portugal” e “desenvolver um novo instrumento de apoio à comercialização das empresas, em sistema de cofinanciamento altamente bonificado ou mesmo a fundo perdido”.

“Estas medidas vêm complementar as que o Estado, a nível central, também está a desenvolver e a aplicar. Para além de que, como já sabemos, a retoma da hotelaria será feita sobretudo através do mercado interno, e eventualmente do mercado espanhol, pelo que esta é também uma forma de ajudar as empresas a retomarem a sua atividade e garantir os postos de trabalho”, diz o presidente da AHP, citado em comunicado. “Só assim podemos retomar a nossa atividade e garantir a visita e estadia de turistas nas várias regiões do país”, remata Raul Martins.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Suspensão do IMI, taxa turística e das rendas. Hotelaria pede ajuda aos municípios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião