Mulheres representam 30% dos gestores de topo em Portugal

  • Lusa
  • 6 Maio 2020

A percentagem de mulheres gestoras aumentou "muito ligeiramente" em Portugal durante as últimas duas décadas, apesar do aumento significativo das qualificações.

A proporção de mulheres gestoras aumentou “muito ligeiramente” em duas décadas e representam cerca de 30% dos gestores de topo em Portugal, segundo o Boletim Económico do Banco de Portugal. O Boletim Económico, divulgado esta quarta-feira, tem uma caixa com uma breve caracterização dos gestores em Portugal e a evolução das últimas duas décadas.

De acordo com a informação, entre 1997 e 2017, a percentagem de mulheres gestoras aumentou “muito ligeiramente” em Portugal durante as últimas duas décadas, apesar do aumento significativo das qualificações, permanecendo num nível relativamente baixo, de cerca 31%, isto quando no total dos trabalhadores as mulheres representam quase 50%. “Este resultado é transversal a todos os setores de atividade e a empresas de diferentes dimensões”, refere o Banco de Portugal.

Já quanto à idade dos gestores, esta tem acompanhando o envelhecimento da população, sendo que tanto a média como a mediana aumentou cerca de três anos nas últimas duas décadas, “em larga medida devido à diminuição da percentagem de gestores com menos de 35 anos”, que representavam apenas 10% dos gestores em 2017, quando eram 21% em 1997.

Cerca de 60% dos gestores tem mais de 44 anos, o que compara com menos de 40% no caso dos restantes trabalhadores.

Nas qualificações dos gestores, segundo o Banco de Portugal, há o reflexo da melhoria nos níveis de escolaridade da população.

O Boletim Económico destaca a diminuição da percentagem de gestores com escolaridade inferior ao terceiro ciclo do ensino básico em mais de 30 pontos percentuais, sendo que, ainda assim, estava ligeiramente acima de 35% em 2017.

Comparando o nível de escolaridade dos gestores com os restantes trabalhadores, estes têm em média mais anos de escolaridade e é maior a proporção de licenciados.

A análise do Banco de Portugal é feita com base nos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) e dos Quadros de Pessoal do Ministério do Trabalho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mulheres representam 30% dos gestores de topo em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião