Portugal tem a 4ª luz e gás mais caros da Europa

O preço da luz baixou quase 5% em Portugal. Ainda assim, o país está no top dos mais caros. A culpa é dos impostos, diz a ERSE, que pesam 49% na fatura. A maior fatia vai para os CMEC e renováveis.

Portugal teve no segundo semestre de 2019 a quarta eletricidade mais cara da União Europeia para consumo doméstico, em termos de poder de compra das famílias, diz o último boletim do Eurostat, divulgado esta quinta-feira. o gás também é o quarto mais caro da Europa, depois da Espanha, Suécia e Itália.

O gabinete de estatísticas de Bruxelas fez as contas à fatura da luz ajustando os preços a uma fórmula que elimina as diferenças entre os países (paridade de poder de compra) e revela agora que os portugueses foram os que mais pagaram pela eletricidade consumida a seguir à Roménia, Alemanha e Espanha.

Em média, as famílias portuguesas pagaram 21,8 euros por 100 kWh de eletricidade no segundo semestre de 2019. Considerando apenas este valor, a fatura nacional cai para a oitava mais cara entre os europeus.

No entanto, por comparação com igual período de 2018, é possível constatar, diz o Eurostat, que os preços da eletricidade baixaram 4,9% em Portugal. Foi o terceiro país da UE onde o preço da luz mais baixou, depois da Dinamarca (-6,3%) e da Grécia (-5,8%). Em média, os preços da luz na UE subiram 1,3% para os 21,6 euros por 100 kWh, em linha com a inflação.

Apesar da descida, o país continua no top dos mais caros. A culpa é dos impostos que pesam 49% na fatura, diz a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) numa nota explicativa divulgada esta quarta-feira. A maior fatia vai para os CMEC (custos para a manutenção do equilíbrio contratual), produção em regime especial (renováveis), custos de natureza ambiental, tarifa social, entre muitas outras parcelas somadas na conta da luz.

A ERSE sublinha que “Portugal está entre os países em que a componente de energia e redes é menor” na UE. Isto porque “os CIEG [custos de interesse económico geral], que incluem esta componente de taxas e impostos, representam para Portugal cerca de 30% do preço total pago pelos consumidores”, explica o regulador.

Fonte: ERSE

 

De acordo com o Eurostat, a eletricidade mais cara foi registada na Dinamarca (29,2 euros por 100 kWh), Alemanha (28,7 euros) e Bélgica (28,6 euros), com a média europeia muito abaixo desses valores, a rondar os 21,6 euros.

No extremo oposto, a eletricidade é mais barata na Bulgária (9,6 euros por 100kWh), Hungria (11 euros) e Lituânia (12,5 euros).

Finlândia, Luxemburgo, Malta, França, Suécia, Estónia, Hungria e Países Baixos são os países onde a fatura menos pesa face ao orçamento familia, face ao poder de compra.

Gás português é o 4º mais caro, olhando para o poder de compra

Em termos de paridade do poder de compra, o gás é mais barato no Luxemburgo, Letónia, Bélgica, Alemanha, Hungria, Estónia e Dinamarca. E mais caro em Espanha, Suécia, Itália, Portugal e Bulgária.

Em média, 100 kWh custaram aos europeus 7,2 euros por 100 kWh no segundo semestre de 2019, pouco abaixo do que pagaram os portugueses (7,8 euros por 100 kWh, ou seja -1% face ao período homólogo), com os impostos a representarem por cá uma fatia de 24% da fatura.

Também no gás, e comparando apenas as componentes de energia e redes para o consumidor mais representativo em Portugal, “observa-se que os preços em Portugal são inferiores aos de Espanha e aos da União Europeia e da Área do Euro”, diz a ERSE.

A Dinamarca é o país europeu que mais paga taxas e impostos na conta do gás (60% do preço), com a Grécia no extremo oposto (8%). A média europeia está nos 31%.

No que diz respeito a variações do preço do gás, a Letónia foi o país onde este valor mais desceu entre junho e dezembro de 2019 (-22%) e Espanha o que mais aumentou (+16,7%).

Notícia atualizada

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal tem a 4ª luz e gás mais caros da Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião