BCE antecipa que países do euro precisem de mais 1,5 biliões de euros em dívida

Estimativa do Banco Central Europeu tem por base necessidades de financiamento para responder às medidas orçamentais que os Estados estão adotar devido à pandemia de Covid-19.

Os países da Zona Euro deverão precisar de ir ao mercado de dívida buscar mais entre 1 bilião e 1,5 biliões de euros devido à pandemia de Covid-19. A estimativa do Banco Central Europeu (BCE) aponta para o aumento das necessidades de financiamento causada pelas medidas orçamentais que tentam travar o impacto do surto na economia.

“O BCE estima que — no nosso cenário médio de uma descida do PIB de cerca de 8% — as necessidades de financiamento adicionais dos governos da Zona Euro, este ano, resultantes da recessão e das medidas orçamentais exigidas poderá exceder 10% do PIB“, anunciou a presidente Christine Lagarde, numa conferência online organizada pelo Instituto Universitário Europeu.

“Esse valor coloca as emissões adicionais de dívida devido à pandemia num intervalo entre 1 biliões e 1,5 biliões de euros, só em 2020“, sublinha a francesa. Tendo em conta que este é o cenário médio e que o pior cenário do BCE aponta para uma queda do PIB de 12%, o montante que os países vão buscar aos mercados poderá ser ainda maior.

Em Portugal, as medidas adotadas pelo Governo até agora para reforçar a resposta do SNS, para proteger o emprego, dar apoio social e salvaguardar a liquidez das empresas terão um custo direto de 2,5% do PIB. Tendo 2019 como referência, a percentagem traduz-se em cerca de cinco mil milhões de euros.

Devido às despesas extraordinárias do Estado, o Governo alargou a margem do Tesouro para se financiar a médio e longo prazo no mercado. No total, são 89 mil milhões de euros em vários instrumentos de financiamento, sendo que no Orçamento do Estado estavam inscritos apenas 46 mil milhões.

Tal como Portugal, outros países estão a fazer o mesmo e aproveitam assim a bazuca do BCE, que lançou o Programa de Compras de Emergência Pandémica (PEPP, na sigla em inglês) com 750 mil milhões de euros. “Vamos fazer tudo o que seja necessário, dentro do nosso mandato, para apoiar a recuperação“, reafirmou Lagarde esta sexta-feira.

“Temos, enquanto união, de estar preparados para este futuro. Como não há culpados por esta crise, temos de assegurar que não há constrangimentos indevidos na resposta política. Nem todos os países estão a reagir da mesma forma, mas cada um tem de ter capacidade de responder como necessário. De outra forma, arriscamos aumentar as assimetrias e sair desta crise com maior divergência económica. Isto realça porque é que uma resposta orçamental comum é tão importante”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE antecipa que países do euro precisem de mais 1,5 biliões de euros em dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião