Costa volta a excluir austeridade. “Seria aprofundar a crise”

O primeiro-ministro visitou o Porto para avaliar o regresso do comércio à atividade. Costa diz que desafio passa por devolver a confiança às pessoas e que a solução para a crise não é austeridade.

António Costa voltou a afastar a ideia de que Portugal terá de voltar à austeridade por causa do impacto económico da pandemia. “Seria aprofundar a crise. Não deixou saudades a ninguém”, referiu o primeiro-ministro no Porto.

De passagem por uma rua portuense, quando o pequeno comércio começa aos poucos a reabrir as portas após semanas de confinamento, António Costa sublinhou que o desafio é outro: devolver a confiança às pessoas para que o país possa regressar gradualmente a uma normalidade em contexto de pandemia.

Podem vir porque têm acessíveis os meios de proteção individual. Os estabelecimentos estão devidamente higienizados, têm os materiais necessários para poderem desinfetar as mãos. Os funcionários que estão nos estabelecimentos estão devidamente protegidos dos riscos que os clientes comportam e os clientes também estão protegidos”, declarou o primeiro-ministro.

“Pôr austeridade em cima desta crise seria só aprofundá-la. Não vale a pena ter esta obsessão do regresso da austeridade, creio que não deixou saudades a ninguém”, acrescentou o governante questionado pelos jornalistas.

Tudo para que se consiga manter as empresas, os postos de trabalho e sustentar os rendimentos, frisou ainda.

"Pôr austeridade em cima desta crise seria só aprofundar esta crise. Não vale a pena ter esta obsessão do regresso da austeridade, creio que não deixou saudades a ninguém.”

António Costa

Primeiro-ministro

Não é a primeira vez que António Costa volta a descartar a necessidade de austeridade.

Mas esta semana Rui Rio considerou que a austeridade é “meramente uma questão de português” e que os portugueses vão voltar a viver tempos de maior aperto por causa da crise. “Criticaram tanto o tempo da troika, que existiu por culpa do PS, que baniram a palavra austeridade. Mas podem ir recuperar o aperto de cinto do tempo do Dr. Mário Soares”, ironizou o presidente do PSD em entrevista à CMTV.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa volta a excluir austeridade. “Seria aprofundar a crise”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião