Governo quer que Bruxelas pague ajudas à agricultura no verão

  • ECO
  • 10 Maio 2020

Portugal admite substituir-se à União Europeia para antecipar o pagamento de ajudas diretas ao setor da agricultura, para ajudar a contrariar o impacto da crise.

Portugal continua a defender junto da Comissão Europeia que antecipe o pagamento de algumas ajudas diretas aos agricultores para julho, e não apenas em outubro. Ainda assim, caso não aconteça, o governo admite que possa assumir parte desse encargo, para apoiar designadamente pequena agricultura, pequenos ruminantes e setor das flores, para ajudar a contrariar os efeitos da crise provocada pela pandemia.

A possibilidade foi avançada pela ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios (acesso livre), adiantando que espera que a União Europeia (UE) reconsidere o calendário de pagamentos.

“Nós estamos expectantes daquilo que ainda é possível negociar com a Comissão Europeia, mas estamos também a fazer o nosso trabalho de casa para perceber, nomeadamente, nos setores mais afetados, se conseguimos antecipar alguns destes pagamentos, por exemplo, para a pequena agricultura, pequenos ruminantes e para o setor das flores. Estamos a estudar essa possibilidade”, disse.

Na mesma entrevista, Maria do Céu Albuquerque garante que não vai faltar arroz nem trigo em Portugal, apesar de os mercados internacionais apresentarem hoje em dia mais restrições devido à pandemia do novo coronavírus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer que Bruxelas pague ajudas à agricultura no verão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião