Ageas Portugal e H-Farm lançam programa para atrair startups inovadoras

  • ECO Seguros
  • 11 Maio 2020

O programa assegura apoio económico e logístico ao longo de um processo de quatro meses. As soluções mais inovadoras irão enriquecer a oferta de produtos e serviços do grupo de seguros.

A iniciativa resulta de uma parceria entre Ageas Portugal e a H-Farm, uma plataforma italiana que combina formação, investimento e consultoria para novos modelos de negócio digital. O objetivo é identificar e testar novas soluções de negócio, criadas por startups que já têm um produto ou serviço desenvolvido, e um mercado de referência específico para o qual necessitam de escala.

Estruturado como um projeto de desenvolvimento de inovação aberta, o programa acolhe candidaturas até julho desenvolvendo-se depois ao longo de quatro etapas de três semanas cada uma.

Citada num comunicado, Katrien Buys, Diretora de Estratégia, Inovação e Sustentabilidade do Grupo Ageas Portugal afirma: “Algumas das soluções que procuramos nestes briefs, são especialmente relevantes durante e após a pandemia, e podem permitir uma transformação dos nossos hábitos de viver e trabalhar. Esta parceria está alinhada com as nossas preocupações de negócio e o impacto atual e futuro das nossas operações.”

As soluções selecionadas no âmbito do programa Ageasinsure serão posteriormente “testadas no mercado, e integradas nas unidades de negócio do Grupo Ageas Portugal”, nomeadamente em áreas operacionais da atividade seguradora; saúde e bem-estar. Assim, as startups podem candidatar-se a três setores específicos nos quais o Grupo Ageas Portugal tem investimentos planeados e interesse em integrar soluções inovadoras:

  • O primeiro é a identificação de soluções tecnológicas que irão reforçar a eficiência, segurança e rapidez dos processos internos do Grupo, tais como: análise preditiva, deteção de fraude, serviços de pagamento e melhoria da experiência do consumidor em espaços físicos.
  • O segundo visa identificar tecnologias que atendam às necessidades atuais de saúde, tais como a prevenção, avaliação de sintomas e adesão ao tratamento, ferramentas de partilha de informação confiáveis, e problemas de saúde mental e reprodutiva.
  • O terceiro, e último brief, procura novas tecnologias e modelos de negócio que apoiam as pessoas na sua procura pela felicidade; para gerir o stress; simplificar o dia-a-dia dos habitantes dos grandes centros urbanos e daqueles que viajam frequentemente; para alcançar um equilíbrio entre o trabalho e a vida privada; para melhor gerir as poupanças e investimentos; e para encorajar comportamentos sustentáveis que melhorem a qualidade de vida.

Para identificar as melhores startups, a H-FARM conta com uma rede de 4,5 milhões de startups ativas em todo o mundo, construída através de mais de 15 anos de experiência e graças ao seu papel no GAN (Global Accelerator Network), salienta o grupo de seguros.

Tomas Barazza, Cultura de Estratégia & Inovação – Parceiro Sénior da H-FARM, comenta: “o Grupo Ageas Portugal está a desenvolver um caminho estruturado para explorar o ambiente das startups connosco. Hoje, mais do que nunca, é crucial que uma empresa como esta aborde a Inovação Aberta, não só para explorar novas oportunidades, mas também para torná-las a semente de potenciais fluxos de negócio, ao projetar e criar protótipos de projetos reais. Vamos estabelecer uma estratégia de negócio entre o Grupo Ageas Portugal e as startups selecionadas.”

As startups selecionadas terão acesso a um programa que irá ajudá-las a ajustar a sua solução (prova de conceito) e construir uma parceria sólida com o Grupo Ageas Portugal. Depois da semana inicial, “durante a qual serão clarificadas as atividades a serem realizadas entre as unidades de negócio específicas e as startups, a colaboração será guiada por quatro sessões divididas em duas fases, num total de quatro meses”, propõe a seguradora.

Cada sessão será dividida numa semana de codesign e duas semanas de desenvolvimento e medição de KPIs. As startups serão constantemente apoiadas a nível económico e logístico no desenvolvimento da sua solução.

No fim do programa, haverá um evento de apresentação – o Demo Day – durante o qual serão partilhados os resultados do programa com um público composto maioritariamente por stakeholders.

O programa tem início previsto para outubro. Os candidatos podem fazer a candidatura no site oficial, até dia 20 de julho de 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ageas Portugal e H-Farm lançam programa para atrair startups inovadoras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião