Transferências imediatas dispararam mais de 300% no ano passado

523,1 mil milhões de euros. Foi o valor das transações realizadas pelos portugueses no ano passado. Cartões continuam a dominar operações, mas transferências imediatas foram as que mais cresceram.

Os pagamentos do retalho em Portugal continuam a acelerar. Foram realizadas 3 mil milhões de operações de pagamento durante o ano passado, tendo sido transacionados 523,1 mil milhões de euros, referem dados do Banco de Portugal. A evolução da atividade económica justifica o aumento face face ao ano anterior, com as transferências imediatas, apesar de ainda representarem uma pequena fatia do bolo total, a registarem o maior incremento: mais de 300%.

As operações realizadas no sistema que processa as operações de pagamento de retalho em Portugal, o SICOI, aumentaram 9,3% em número, ” a maior taxa nos últimos cinco anos” salienta o Banco de Portugal no Relatório dos Sistemas de Pagamentos de 2019, acrescentando que em valor a subida foi de 6,4% relativamente ao ano anterior.

Este aumento continuou a ser sustentado pelos instrumentos de pagamento eletrónicos — débitos diretos, transferências a crédito, transferências imediatas e operações de pagamento baseadas em cartão –, sendo que segundo a entidade liderada por Carlos Costa, excluindo o numerário, os cartões bancários continuam a ser o instrumento de pagamento mais utilizado no país, com um peso de 86,6% em número de operações, em linha com o observado no ano passado. Por oposição, os cheques continuam a ser cada vez menos utilizados pelos portugueses para fazerem pagamentos.

No que respeita aos instrumentos de pagamento eletrónicos, todos registaram incrementos de utilização no ano passado. Contudo, o maior foi observado nas transferências imediatas, que foram lançadas em setembro de 2018.

Com cerca de um ano de funcionamento, as transferências imediatas registaram taxas de crescimento muito expressivas, de 311,8% em número e de 521,7% em valor, revelando uma forte adoção deste novo instrumento de pagamento pelos consumidores e, sobretudo, pelas empresas (59% das operações foram ordenadas por particulares e 7% do seu valor teve origem em empresas)”, esclarece o Banco de Portugal. Ao todo, no ano passado, foram realizadas 3,1 milhões de transferências imediatas diárias, num valor total de 4 mil milhões de euros.

Cartões crescem. ATM também

Os cartões bancários que voltaram a ser o instrumento mais utilizado para efetuar pagamentos também engordaram em número, mas apenas graças ao crescimento registado nos cartões de débito. O aumento total do número de cartões foi de 4,2% face ao ano anterior, para um total de 24,6 milhões de cartões de pagamento ativos em Portugal, o que significa que, em média, cada habitante possuía 2,4 cartões no final do ano passado.

Os cartões com função de débito continuaram a aumentar (5,8% em 2019), ascendendo a 23 milhões. “Já os cartões de crédito inverteram a tendência dos últimos cinco anos e diminuíram 1,6%, existindo, no final do ano passado, 8,3 milhões“.

O aumento do número de cartões foi acompanhado por um crescimento do número de terminais de pagamento (TPA), mas também de ATM (caixas Multibanco). “O número de caixas automáticos [ATM] inverteu o decréscimo que tem registado desde 2011 e aumentou 1,1%“, diz a esse propósito o regulador da banca, com o número total a ascender a 14,3 mil no final de 2019. Já os TPA cresceram a uma taxa de 5,3% para 367 mil. Em média, existiam 1,4 caixas automáticos e 35,8 TPA por cada mil habitantes no final do ano passado.

Contactless ganha espaço. Duplica nas compras

No ano passado, também foi notória a utilização crescente dos cartões bancários com tecnologia contactless, sendo que “este comportamento terá resultado, entre outros fatores, dos aumentos do número de cartões e de terminais com esta tecnologia, de 27,5% e 20,7%, respetivamente”, justifica o banco de Portugal.

As compras com recurso à tecnologia contactless representaram 7,8% do número e 3% do valor total de compras com cartão, “duplicando assim o seu peso face ao total das compras em comparação com 2018“. Cada compra com contactless teve um valor médio de 14,5 euros e os principais setores em que esta tecnologia foi utilizada foram o comércio a retalho e a restauração.

As compras online com cartões nacionais também cresceram: 43% em número e 28% em valor, representando, respetivamente, 6,3% e 7,5% do número e do valor das compras realizadas com cartões emitidos em Portugal. A maioria das compras online
(80% do número e do valor) foram efetuadas a comerciantes no estrangeiro, esclarece a este propósito a entidade liderada por Carlos Costa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transferências imediatas dispararam mais de 300% no ano passado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião