Revista de imprensa internacional

Ryanair quer reintroduzir 40% dos voos em julho numa altura em que Trump afasta a possibilidade de renegociação do tratado comercial com a China.

Com as medidas de confinamento a abrandar, a Ryanair tenciona reintroduzir 40% dos seus voos a partir de 1 de julho. Trump exclui a possibilidade de renegociação do tratado comercial com Pequim e apela aos dirigentes chineses para que primeiro respeitem os seus compromissos. O fundador da Tesla desafiou as autoridades e decidiu recomeçar a produção da única fábrica da empresa nos EUA, reconhecendo publicamente o risco de ser preso por causa desta decisão. No Brasil, após anulação no STF, o sucessor de Moro volta a condenar o ex-presidente da Petrobras na Lava Jato por corrupção.

CNA

Trump afasta a possibilidade de renegociação do tratado comercial com a China

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, excluiu a renegociação do acordo comercial com a China e apelou aos dirigentes de Pequim para que primeiro respeitassem os seus compromissos. Questionado sobre a eventualidade da renegociação, Trump respondeu: “Não estou interessado. Veremos se eles respeitam o acordo que assinaram”. Os negociadores dos dois Estados comprometeram-se na segunda-feira, durante conversações telefónicas, a aplicarem o seu acordo dito de “fase um”, assinado em janeiro, depois de quase dois anos de disputas comerciais através de tarifas alfandegárias punitivas. Nos termos do acordo, o Governo norte-americano comprometeu-se a não fazer mais aumentos de tarifas alfandegárias.

Leia a notícia completa na CNA (acesso livre, conteúdo em inglês).

BBC News

Ryanair quer reintroduzir 40% dos voos em julho

A Ryanair tenciona reintroduzir 40% dos seus voos a partir de 1 de Julho, sob reserva do levantamento das restrições de viagem e da introdução de medidas de segurança nos aeroportos. A companhia aérea vai operar com cerca de mil voos por dia. Desde o início das restrições em março, a Ryanair operou apenas com 30 voos diários entre a Irlanda, o Reino Unido e a Europa. Com esta retoma, a companhia área já alertou que à chegada ao aeroporto, as pessoas terão a sua temperatura verificada e terão de usar sempre uma máscara facial no terminal e nos aviões.

Leia a notícia completa na BBC News (acesso livre, conteúdo em inglês).

Bloomberg

Musk desafia autoridades e abre fábrica da Tesla

O fundador da Tesla decidiu recomeçar a produção da única fábrica da empresa nos EUA, desafiando a ordem das autoridades para a manter fechada. Elon Musk reconheceu publicamente o risco de ser preso por causa desta decisão: “Estarei na linha [de produção] com todos. Se alguém for preso, peço que seja apenas eu”, escreveu no Twitter. Musk já mostrou ser contra as medidas de isolamento social e confinamento restritivo implementadas por vários estados norte-americanos e a nível federal. No sábado, o dono da Tesla ameaçou mudar a sede da empresa da Califórnia para o Nevada ou Texas.

Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso pago, conteúdo em inglês).

Folha de São Paulo

Após anulação no STF, sucessor de Moro volta a condenar ex-presidente da Petrobras na Lava Jato

O ex-presidente da estatal Petrobras e do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, foi novamente sentenciado segunda-feira a seis anos e oito meses de prisão por corrupção, após a anulação da anterior condenação em agosto. A sentença por corrupção passiva foi ditada pelo juiz Luiz Antonio Bonat, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, onde tramitam processos da Lava Jato, maior operação contra a corrupção no país. Bendine já tinha sido condenado no mesmo processo em 2018, pelo então juiz e agora ex-ministro da Justiça Sergio Moro, a 11 anos de prisão pelos crimes de corrupção e branqueamento de capitais, por alegadamente ter recebido três milhões de reais (480 mil euros) em subornos da construtora Odebrecht. A condenação foi confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região que, no entanto, reduziu a pena de Bendine para sete anos de prisão.

Leia a notícia completa na Folha de São Paulo (acesso livre, conteúdo em português).

CNN Business

Twitter vai alertar utilizadores para conteúdos enganosos sobre pandemia

O Twitter vai começar a alertar os utilizadores para informações que são consideradas enganosas relativamente à pandemia, através de uma mensagem a dar conta da falta de autenticidade dos conteúdos, podendo inclusive ocultar ou eliminar estas publicações. De acordo com a empresa, a verificação dos factos vai ser feita através de verificadores humanos e dos programas de inteligência artificial desenvolvidos para o efeito. Caso seja considerada um conteúdo “prejudicial”, porque a informação publicada é falsa ou já foi desmentida, vai ser acrescentado um alerta com a seguinte mensagem: “Informa-te sobre os factos da covid-19”.

Leia a notícia completa no CNN Business (acesso livre, conteúdo em inglês).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião