Governo espera injeção de dinheiro na TAP em meados de junho

O Governo e a TAP estão a trabalhar na fundamentação de um pedido para capitalização pública da companhia, um trabalho que espera estar fechado "em meados de junho".

O Governo está a trabalhar com a administração da TAP para fundamentar uma operação de capitalização da companhia que é detida em 50% pelo Estado, em 45% pela Atlantic Gateway e por 5% nas mãos de trabalhadores. A expectativa é a de que esta tarefa esteja concluída em “meados de junho”. Numa sessão no Parlamento, o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo, confirmou que o Governo já recebeu “um pedido inicial” que “versava sobre várias matérias”, entre elas “a garantia de Estado a um empréstimo que a TAP pretende obter”.

Porém, segundo Álvaro Novo, “este tipo de garantias pessoais do Estado está devidamente enquadrado na lei portuguesa e europeia”. “Portanto, precisam de uma fundamentação que não se coaduna com receber uma carta a fazer o pedido”, salientou.

“Já tive oportunidade, pessoalmente, de transmitir à administração da TAP que era necessário reforçar a fundamentação desse pedido”, continuou o secretário de Estado do Tesouro. Isso está a ser feito no âmbito de um grupo de trabalho criado para o efeito e que conta com “pessoas de elevada competência técnica” no setor, garantiu.

Assim, a expectativa do Governo é concluir a fundamentação do pedido em maio e de encetar negociações com a Comissão Europeia para que tudo esteja alinhavado em “meados de junho”.

“A nossa expectativa é a de que, destas interações, até ao final de maio haja uma fundamentação técnica por parte da comissão executiva da TAP sobre as necessidades financeiras e as alterações estratégicas operacionais que têm de ser feitas para garantir não só o curto prazo na TAP, mas também o que vai ser o médio e longo prazo na TAP neste contexto de elevada incerteza”, disse.

“Estando este trabalho previsivelmente concluído no final de maio, esperamos, depois, falando com a Comissão Europeia, porque a isso estamos obrigados, ter uma decisão prática de injeção de dinheiro mediante condições que serão estabelecidas ao longo deste processo negocial em meados de junho”, explicou o secretário de Estado do Tesouro, reforçando que “esta é a perspetiva”.

Governo prepara já ajuda de emergência

Como já noticiou o ECO, além deste empréstimo e da capitalização através de vários instrumentos como capital e obrigações subordinadas, o Governo está a preparar uma ajuda de emergência à TAP, que está a ser negociada por João Nuno Mendes, ex-presidente das Águas de Portugal, e que conta com assessoria da sociedade de advocacia Vieira de Almeida e da consultora Deloitte.

A intenção é a de transferir, já nas próximas semanas, uma primeira tranche de emergência, para evitar que a TAP entre em incumprimento das suas obrigações, numa ajuda total que deverá superar os 1.000 milhões de euros.

A pandemia do coronavírus colocou a TAP em severas dificuldades financeiras, depois de as restrições às deslocações em todo o mundo terem forçado a empresa a, praticamente, parar toda a operação e a avançar para um lay-off alargado. A empresa planeia agora testar a retoma de alguns voos a partir de 18 de maio, sobretudo para o Porto, mas também para Madeira e Açores, Brasil e dois destinos da Europa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo espera injeção de dinheiro na TAP em meados de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião