Perspetivas negativas da Fed para a economia abalam Wall Street

As bolsas de Nova Iorque abriram com perdas, depois dos comentários do presidente da Fed, que previu um "caminho altamente incerto e sujeito a riscos significativos de queda" para a economia dos EUA.

Os principais índices de Nova Iorque abriram em terreno negativo, com os investidores em alerta depois das declarações do presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed). Jerome Powell prevê um futuro pouco risonho para a economia dos Estados Unidos devido à crise provocada pelo coronavírus, e isso foi o suficiente para causar uma onda de negativismo nos mercados.

O S&P 500 está a perder 0,3% para 2.861,50 pontos, acompanhado pelo industrial Dow Jones que desvaloriza 0,41% para 23.666,47 pontos. O índice tecnológico Nasdaq, que interrompeu esta terça-feira um ciclo de seis sessões consecutivas de ganhos, recuperou e segue a avançar 0,15% para 9.016,38 pontos.

A última sessão em Wall Street já tinha sido tremida, com os investidores receosos quanto a uma retoma precoce da economia. Agora, esta quarta-feira, as declarações do presidente da Fed bastaram para levar as bolsas ao vermelho. “Embora a resposta económica tenha sido oportuna e adequadamente grande, pode não ser o capítulo final, já que o caminho a seguir é altamente incerto e sujeito a riscos significativos de queda”, disse Jerome Powell, citado pela CNBC (conteúdo em inglês).

Os comentários de Powell foram feitos na sequência dos dados revelados na semana passada pelo Departamento do Trabalho norte-americano, que mostraram um recorde de 20,5 milhões de postos de trabalho perdidos em abril.

“Estamos perante um mercado que aguarda para ver como será a retoma da economia”, diz Quincy Krosby, estratega da Prudential, citado pela CNBC. “Tudo depende dos próximos meses e de como as empresas de sucesso poderão reabrir”, refere Nick Raich, CEO do The Earnings Scout.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Perspetivas negativas da Fed para a economia abalam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião