Wall Street termina semana de desconfinamento em alta

Esta foi uma semana positiva para os principais índices norte-americanos que ganharam entre 3 a 5%. Nem o facto de a taxa de desemprego ter triplicado assustou as perspetivas futuras dos investidores.

Wall Street fechou em alta a semana que fica marcada pelo gradual desconfinamento em alguns estados norte-americanos e na maioria dos países europeus. Esta sexta-feira os três principais índices norte-americanos registaram ganhos expressivos, apesar de este ter sido o dia em que se soube que a taxa de desemprego dos EUA triplicou de março para abril.

O S&P 500 subiu 1,69% para os 2.929,8 pontos, subindo mais de 3% no acumulado da semana, e o Dow Jones valorizou 1,91% para os 24.331,32 pontos, valorizando mais de 2% no acumulado da semana. O Nasdaq, que subiu durante cinco sessões consecutivas, avançou 1,58% para os 9.121,32 pontos e ganhou mais de 5% no acumulado da semana. Após duas semanas de quedas, os índices voltam a registar um ganho semanal.

No caso do Nasdaq, o índice tecnológico — beneficiando da subida de cotadas como a Microsoft, a Amazon, o Facebook, a Apple e a Alphabet (Google) — já está em terreno positivo no acumulado do ano de 2020, tendo “apagado” todas as perdas registadas durante o início da pandemia.

Os investidores parecem estar a apostar que o pior da crise pandémica já passou e focam-se mais nos dados a médio prazo, relativizando a histórica subida da taxa de desemprego, que triplicou num só mês. Em fevereiro, a taxa de desemprego era de 4,4%, uma das mais baixas de sempre nos EUA. Contudo, tal já era esperado uma vez que os dados semanais demonstravam a dimensão do problema, pelo que os mercados não foram surpreendidos esta sexta-feira. Acresce que o consenso entre os economistas era de um aumento de 22 milhões de desempregados.

Na sessão desta sexta-feira, um dos pontos positivos veio de um sinal de aproximação entre Pequim e Washington: as autoridades dos dois países disseram que chegaram a bom porto para melhorar a implementação da fase um do acordo comercial. Esta declaração segue-se à ameaça de Donald Trump no início deste mês de impor mais tarifas à China por causa do coronavírus.

Entre as cotadas, o destaque vai para as ações da Disney, que subiram 3,4%, após se saber que os bilhetes de reabertura do parque de diversões em Xangai terem sido vendidos rapidamente. Outras cotadas que beneficiam do desconfinamento e que foram muito afetadas recentemente pela pandemia, como é o caso das transportadoras aéreas norte-americanas Delta, American Airlines e United, recuperaram na sessão desta sexta-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street termina semana de desconfinamento em alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião