Fundos vão ter controlo mais apertado. Vírus aumenta risco do imobiliário e dívida

A forte incerteza quanto ao outlook macrofinanceiro levou o Comité Europeu do Risco Sistémico a recomendar um acompanhamento mais próximo da indústria da gestão de ativos.

A pandemia veio expor o risco dos fundos de investimento num contexto de pânico nos mercados financeiros. Perante a necessidade de liquidez para reembolsar os aforradores, as sociedades gestoras ficaram em dificuldades, especialmente as mais expostas ao imobiliário e à dívida privada. Vai haver, por isso, um controlo mais apertado daqui para a frente.

A preocupação foi expressa pelo Comité Europeu do Risco Sistémico (ESRB, na sigla inglesa), que aconselha maior controlo nas políticas de investimento. A recomendação já recebeu apoio tanto da Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) como da portuguesa Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“A aguda queda do preço dos ativos observada com o surto de Covid-19 foi acompanhada de resgates significativos de certos fundos de investimento e uma significativa deterioração da liquidez nos mercados financeiros. Apesar de as condições de mercado terem desde então estabilizado, em grande parte devido às ações dos bancos centrais, autoridades de supervisão e governos, mantém-se uma grande incerteza quanto ao outlook macrofinanceiro“, alerta o ESRB.

O comité aponta as vulnerabilidades de fundos de investimento com curtos períodos de amortização e investimentos em ativos pouco líquidos. Em especial, é o caso de dívida privada e imobiliário, segundo o responsável europeu pelo controlo do risco sistémico. “Esse desalinhamento de liquidez aumenta o risco de pressões adicionais nas avaliações dos ativos em tempos de stress“.

Por isso, o ESRB recomenda que as autoridades nacionais realizem ações de supervisão sobre a exposição e as vulnerabilidades dos fundos de investimento à dívida privada e ao mercado imobiliário. Aconselha ainda a agilização de mecanismos de gestão de liquidez e a avaliação de impactos a nível europeu de uma descida de ratings nos vários segmentos do sistema financeiro.

A nível nacional, a CMVM explica, em comunicado, que tem acompanhado os impactos da pandemia na indústria de gestão de ativos nacional e internacional. “A este respeito foram reforçados os requisitos de prestação de informação e a CMVM mantém um acompanhamento diário dos desenvolvimentos relevantes”, sublinha a entidade liderada por Gabriela Figueiredo Dias.

Acrescenta que irá “tão rapidamente quanto possível” iniciar a análise harmonizada a nível europeu que é referida na recomendação. “Perante a severidade do choque, e sublinhando a incerteza e desafios que ainda permanecem pela frente, a CMVM destaca a resiliência do mercado nacional aos efeitos da pandemia até ao momento, bem como a resposta profissional oferecida pela indústria de fundos de investimento“.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundos vão ter controlo mais apertado. Vírus aumenta risco do imobiliário e dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião