Covid-19: Tribunal de Contas lança ações para avaliar efeito de medidas de combate

  • Lusa
  • 18 Maio 2020

O TdC “redefiniu as prioridades do Plano de Ação para 2020", com o intuito de analisar e identificar os riscos das medidas lançadas pelo Governo para combater a pandemia de Covid-19.

O Tribunal de Contas (TdC) alterou o seu programa para este ano com o objetivo de analisar e identificar os riscos das medidas lançadas pelo Governo para combater a pandemia de covid-19, adiantou a entidade em comunicado.

Assim, o TdC “redefiniu as prioridades do Plano de Ação para 2020, para introduzir as adaptações necessárias a incluir várias vertentes do impacto da doença Covid-19, assegurando a sua adequação aos recursos de que dispõe e às limitações decorrentes do atual contexto, quanto à realização de ações no terreno e à necessidade de não sobrecarregar as entidades diretamente envolvidas com o esforço de combate à pandemia, utilizando procedimentos não invasivos”, lê-se na mesma nota.

Com as alterações, o organismo privilegia a “transformação digital” e o “recurso ao relacionamento desmaterializado nas várias vertentes da sua atuação, como no domínio da prestação de contas, acompanhamento da execução orçamental, na avaliação do impacto transversal da pandemia nas finanças públicas ou no acompanhamento da contratação pública dispensada de fiscalização prévia, nos termos da Lei nº1-A/2020”.

O TdC vai, neste âmbito, avançar com 27 ações novas da 2ª Secção, Secções Regionais e dos Serviços de apoio, de acordo com o presidente da instituição, Vítor Caldeira.

No comunicado, a instituição detalhou ainda que iria haver alterações “em 112 ações programadas, maioritariamente relacionadas com o foco numa análise e enquadramento Covid-19 nos controlos a efetuar”, e que passam pela “recalendarização de 48 ações (maioritariamente para 2021); no cancelamento de 19 ações (decorrente da reafetação dos recursos disponíveis e de atuais limitações físicas à execução de ações programadas); na alteração de prioridades em cinco ações (atualização da matriz de risco e limitações de acesso no terreno)”.

O TdC planeia “aferir as medidas e procedimentos utilizados para fazer face à necessidade de equilibrar a resposta célere à emergência e o respeito pelos princípios da transparência, integridade e responsabilidade inerentes ao uso dos dinheiros públicos”, bem como identificar um potencial aumento dos riscos, “em termos de conformidade, com consequências ao nível da responsabilidade e da transparência”, lê-se na mesma nota.

O organismo irá levar a cabo “auditorias de resultados, especificamente dirigidas a setores afetados, como a saúde e a segurança social, com base em informação acessível”, assegurando que, desta forma, não irá “originar uma sobrecarga das entidades dos ministérios da Saúde e Segurança Social mediante adoção de procedimentos não intrusivos no relacionamento com as entidades”.

O TdC irá acompanhar ainda a evolução das finanças públicas e adaptar “o foco de ações já anteriormente programadas, integrando a análise da vertente e das medidas e consequências covid-19, nomeadamente considerando os riscos acrescidos no contexto do regime excecional e salvaguardas que é possível aplicar”.

No mesmo comunicado, o TdC adianta que pretende avaliar a contratação pública, “excecionalmente isenta nos termos da Lei nº1-A/2020”, e levar a cabo estudos “para a identificação dos principais riscos acrescidos em termos de conformidade na utilização de recursos públicos na gestão de situações de emergência, com consequências ao nível quer da responsabilidade e da transparência”.

Estas iniciativas pretendem analisar os resultados da relação entre receita e despesa pública “em áreas como as finanças públicas, como a saúde, emprego, segurança social, educação, fundos europeus, setor local, administração regional, entre outras”, usando ainda “instrumentos de prestação de contas disponíveis para verificar o reporte dos impactos da Covid-19”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Tribunal de Contas lança ações para avaliar efeito de medidas de combate

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião