MAI confirma que primeira quinzena de desconfinamento foi “muito positiva”

  • Lusa
  • 19 Maio 2020

A primeira quinzena da situação de calamidade, decretado pelo Governo devido ao Covid-19, decorreu de forma "muito positiva", avalia a Estrutura de Monitorização da Situação de Calamidade.

A primeira quinzena da situação de calamidade, decretada pelo Governo devido ao Covid-19, decorreu de forma “muito positiva”, avalia a Estrutura de Monitorização da Situação de Calamidade.

“O balanço da primeira quinzena da situação de calamidade e dos primeiros dois dias do segundo período merecem uma avaliação muito positiva”, disse o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, após uma reunião da Estrutura.

No balanço da última quinzena, o ministro lembrou que foram feitos 83.000 testes ao Covid-19 em lares e 26 mil testes a trabalhadores das creches, com o número de casos positivos nestes profissionais a rondar os 0,3%.

O grupo de monitorização faz o acompanhamento da situação de calamidade e junta representantes das forças e serviços de segurança e da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, além de uma dezena de secretários de Estado, e é coordenado pelo ministro.

No final da reunião Eduardo Cabrita disse aos jornalistas que a população aderiu à regra de limite de circulação, respeito pelo distanciamento social e uso de equipamentos de proteção, o que permitiu para uma “evolução positiva dos dados da situação epidemiológica”.

Numa altura em que recomeçaram (na segunda-feira) as aulas presenciais para alunos do 11.º e 12.º anos, que levou a que 200 mil pessoas regressassem à atividade (160 mil estudantes, 29 mil professores e 30 mil assistentes operacionais), o ministro lembrou também a reabertura de creches com “sentimento generalizado de segurança” e a “reabertura com confiança do setor da restauração”.

Eduardo Cabrita frisou que é preciso agora “consolidar os passos dados” e disse que as forças de segurança voltaram a centrar-se na sensibilização das pessoas para as novas regras e considerou como residuais as violações dessas regras.

Especialmente tendo em conta a primeira quinzena da situação de calamidade, que terminou há dois dias (domingo), houve 61 casos de sanções por falta de máscara nos transportes públicos, 1.800 casos de chamadas de atenção em serviços públicos ou estabelecimentos comerciais e 24 detenções, tudo sinal de que os portugueses “acataram” as novas regras, nas palavras do ministro.

Eduardo Cabrita disse também que foram feitos até agora 37 voos que trouxeram material de proteção individual, especialmente da China, faltando apenas completar esta fase os mais de 500 ventiladores ainda naquele país.

No balanço o ministro lembrou também a contribuição a GNR na desinfeção de ambulâncias e lares e creches (120) e das Forças Armadas, que distribuíram equipamentos de proteção individual em 530 escolas secundárias

A Estrutura de Monitorização da Situação de Calamidade junta os secretários de Estado das áreas da Economia, dos Negócios Estrangeiros, da Presidência do Conselho de Ministros, da Defesa Nacional, da Justiça, da Administração Pública, da Educação, da Segurança Social, da Saúde, do Ambiente, das Infraestruturas e Habitação e da Agricultura.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MAI confirma que primeira quinzena de desconfinamento foi “muito positiva”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião