Já há mais de 390 mil no desemprego. Número aumentou quase 98 mil desde início de março

Já há mais de 390 mil desempregados inscritos no IEFP. Desde o início de março, o universo de desempregados inscritos no IEFP cresceu em 97.563.

A pandemia de coronavírus está a fazer tremer o mercado de trabalho e a provocar uma escalada do desemprego. De acordo com os dados divulgados esta terça-feira pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho, o total de desemprego registado pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) já ultrapassou a fasquia das 390 mil pessoas. Em comparação com o início de março, são mais 98 mil inscritos nos centros de emprego.

Atualmente, há 390.579 desempregados inscritos no IEFP, como se pode ler aqui na Pordata, mais 2.300 do que no domingo e mais 97.563 do que no primeiro dia de março. Em comparação, no final de abril, havia quase 369 mil desempregados, menos 21.654 pessoas do que neste momento.

Para evitar uma escalada do desemprego, o Governo lançou uma série de apoios destinados às empresas mais afetadas pelo surto de Covid-19, incluindo uma versão simplificada do lay-off. Ao abrigo desse regime, os empregadores recebem um apoio para o pagamento dos ordenados dos seus trabalhadores, que ficam também reduzidos.

No caso do contrato de trabalho ser suspenso, o trabalhador recebe dois terços da sua remuneração, pagos em 70% pela Segurança Social e em 30%. Já no caso da redução do horário, o Estado comparticipa em 70% o extra necessário para que, em conjunto com a retribuição devida pelas horas mantidas, o trabalhador receba, ao fim do mês, pelo menos dois terços do seu salário original.

Segundo os dados avançados, esta terça-feira, pelo GEP, já aderiram a este regime mais de 110 mil empresas, o que abrange um universo potencial de 1,3 milhões de trabalhadores.

De notar que, ao abrigo do lay-off simplificado, o empregador está impedido de abrir avançar com despedimentos coletivos. Ainda assim, só este mês, já foram iniciados 38 processos nesse sentido, que cobrem 303 trabalhadores. Este número é, no entanto, substancialmente inferior àquele registado no mesmo período (os primeiros 18 dias do mês) de abril: 90, cobrindo 762 trabalhadores. Ou seja, o ritmo de abertura de novos processos tem abrandado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Já há mais de 390 mil no desemprego. Número aumentou quase 98 mil desde início de março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião