Tranquilidade investe 4 milhões para relançar seguro Casa

  • ECO Seguros
  • 19 Maio 2020

Digital, televisão e mupis são os meios escolhidos para passar as mensagens publicitárias da renovação do seguro Casa, que aposta em modulação e mais serviços.

A Tranquilidade acaba de introduzir novas coberturas e mais serviços de assistência, no seguro Casa. Para anunciar a novidade desenvolveu uma campanha de publicidade, com a assinatura “uma nova forma de proteger a sua casa”, que marca o regresso em força da marca ao universo televisivo e representa um investimento de cerca de quatro milhões de euros a preços de tabela.

Pequeno-almoço Ecoseguros no Altis Ópera - 04MAR20
André Taxa, Diretor de Marca e Comunicação da Tranquilidade: “As famílias precisam de seguros mais abrangentes, que possam dar resposta a novos riscos e a novos estilos de vida”.Hugo Amaral/ECO

“A casa está a tornar-se o centro da vida não só familiar, mas também profissional, com a tendência crescente do teletrabalho” explica André Taxa, Diretor de Marca e Comunicação da seguradora, acrescentando que “as famílias precisam de seguros mais abrangentes, que possam dar resposta a novos riscos e a novos estilos de vida e que ofereçam serviços de assistência relevantes”, conclui.

O renovado produto da Tranquilidade tem um caráter modular que permite ao cliente escolher o conjunto de coberturas mais adequado. As soluções de proteção são para senhorios como para inquilinos, para apartamentos e para vivendas, imóveis arrendados e casas de férias.

Como novidade o seguro Casa tem a possibilidade de com a compra da cobertura de responsabilidade civil para cães e gatos, o cliente tem incluída a cobertura de saúde dos animais. Esta abrange o pagamento de despesas médicas, de farmácia e de hospitalização dos animais domésticos em caso de doença.

Outra nova cobertura é a Proteção Digital que tem diversos serviços de assistência como a vigilância regular dos dados do cliente e apoio em situações como roubo ou uso indevido da sua identidade.

As coberturas incluem o serviço de envio de profissionais para reparações ou serviços domésticos, para além da oferta de um serviço de mudanças por ano, enquanto a assistência médica possibilita o envio de médico e medicamentos a casa e também apoio doméstico de fisioterapia.

Na gestão de sinistros, a participação de sinistros online, a vídeo-peritagem, que pode ser feita pelo cliente com o seu telemóvel, e “tempos de assistência rápidos e garantidos oferecem comodidade e agilidade no processo”, afirma a companhia.

A campanha publicitária para relançamento do seguro Casa estará em TV, mupis, e em meios digitais. Arranca a 19 de maio prolongando-se até 2 de junho e terá quatro filmes, narrados pela atriz Dalila Carmo, usando uma linguagem identitária da marca, inovadora, dinâmica e alegre, adaptada à fase de pós-confinamento, com o objetivo de que a grande diversidade de novas coberturas e serviços do produto seja evidente.

As ideias chave a transmitir são de que o seguro Casa abrange pessoas, bens e animais domésticos; protege os telemóveis, tablets e portáteis, dentro e fora de casa; protege os filhos a estudar fora de casa; paga os danos que resultem do roubo de material de desporto fora de casa; reforça os níveis de assistência, designadamente a eletrodomésticos, com pagamento de peças, e material informático; E ainda é uma estrutura modular que permite incluir e retirar coberturas a qualquer momento e que existe uma vantagem no valor do prémio quanto mais coberturas forem contratadas.

A Tranquilidade, pelos dados de produção de 2019, é a segunda maior companhia nos ramos de incêndio e outros danos com cerca de 13% de quota de mercado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tranquilidade investe 4 milhões para relançar seguro Casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião