“Choque de investimento público”. Portugal quer mobilizar 4,5 mil milhões de euros para recuperação verde da economia

Para o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, os temas ambientais são os que melhor podem contribuir para a recuperação da economia, no curto prazo.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, anunciou esta quarta-feira no Parlamento que serão mobilizados “4,5 mil milhões de euros para investimentos que apostam na sustentabilidade”. De acordo com o governante, este valor terá uma forte componente de investimento público, com a ajuda de financiamento europeu, mas também contará com a participação do setor privado. Este “choque de investimento público, como lhe chamou, será feito através de reformas fiscais, subsídios, transferências e o aumento de investimento público em setores ou em projetos estratégicos.

“Este é o momento de preparar em Portugal um choque de investimentos público que permita dinamizar a economia de imediato“, frisou Matos Fernandes, prometendo “criar riqueza a partir de projetos de investimento que beneficiem a redução de emissões, promovam a transição energética, a mobilidade sustentável, a circularidade da economia e a adaptação e a valorização do território”. Na visão do governante, os temas ambientais são os que melhor podem contribuir para a recuperação da economia, no curto prazo.

Os grandes desafios, sublinha, passam pela descarbonização da economia, uso eficiente de recursos, apostando na Economia Circular, resiliência das infraestruturas, modernização e transformação digital de setores económicos estratégicos, preservação da biodiversidade e eliminação da poluição e valorização do capital natural.

Para traçar o caminho desta recuperação verde da economia portuguesa, o ministério do Ambiente e da Ação Climática ouviu mais de 30 especialistas – gestores, académicos, ativistas ambientais, cientistas, empresários e cientistas – para preparar desde o futuro das fileiras de produção, distribuição e consumo, até à valorização da biodiversidade, aos transportes e à valorização dos recursos naturais e geológicos, estabelecendo 10 objetivos principais.

“Para a maioria das personalidades que consultámos, a ‘economia verde’ é essencial para orientar a retoma pós-crise, porque respeita os recursos, porque é mais transparente, porque é socialmente mais justa, porque é mais mão-de-obra intensiva” anunciou o ministro perante os deputados.

Matos Fernandes lembrou ainda que Portugal foi o primeiro país “a assumir a neutralidade carbónica em 2050 e a construir um roteiro para tal. “Sabemos que a década de 2020/30 é a chave para atingirmos os nossos objetivos e o Plano Nacional Energia e Clima (PNEC2030) que elaborámos comprova-o pela sua ambição. Temos um Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território (PNPOT) que integra as opções certas para o território e a valorização do capital natural, o qual influenciou de forma determinante a política de paisagem com que queremos renovar a nossa prática florestal. Estruturámos um Plano de Ação para a Economia Circular (PAEC) e estamos a fazer igual exercício para a bioeconomia, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Choque de investimento público”. Portugal quer mobilizar 4,5 mil milhões de euros para recuperação verde da economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião