Portal das Finanças com subida de 250% nos pedidos de inscrição e reavaliação de imóveis

  • Lusa
  • 20 Maio 2020

Este ano, nestes primeiros cerca de cinco meses e meio, os pedidos formulados através deste formulário rondam já os 16 mil.

O número de pedidos de inscrição e de reavaliação de imóveis para efeitos do Imposto Municipal sobre os Imóveis (IMI) que em 2019 deram entrada no Portal das Finanças aumentou 250,4%, totalizando 45.502.

Estes pedidos são feitos através do chamado Modelo 1 do IMI, sendo usados para a inscrição de um imóvel novo na matriz predial, para comunicar à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) alterações à área de um imóvel, mudanças de afetação (de comércio para habitação, por exemplo) ou ainda para pedir a reavaliação do valor patrimonial tributário (VPT).

De acordo com os dados da AT, em 2017 foram submetidos por via eletrónica 8.969 Modelos 1, número que aumentou em 2018 para 12.984 e para 45.502 em 2019. Este ano, nestes primeiros cerca de cinco meses e meio, os pedidos formulados através deste formulário rondam já os 16 mil.

Para António Ernesto Pinto, especialista em temas fiscais, da Deco – associação de defesa do consumidor, a dinâmica de novas construções e de reabilitação de imóveis registada no mercado imobiliário é uma das razões para a forte subida de pedidos de Modelo 1, mas não é a única.

As pessoas estão mais atentas às contas que têm para pagar e ainda bem que assim é porque, no caso do IMI, muitas ainda estão a pagar mais do que deviam”, assinala o fiscalista, sublinhando que há também cada vez mais consciência por parte dos proprietários de que devem verificar se um pedido de atualização do VPT (sobre o qual recai o IMI) lhes permite baixar a fatura do imposto.

Neste contexto sublinha que a Deco tem há vários anos disponível um simulador que permite fazer uma simulação e perceber se o pedido de atualização do VPT irá ou não resultar numa descida deste valor e, consequentemente, do montante imposto.

Em média, precisa António Ernesto Pinto, sete em cada 10 pessoas que fazem a simulação verificam que vão beneficiar de uma poupança no valor do IMI. No total, desde que uma nova versão do simulador foi lançada, há seis anos, os portugueses que o usaram estão a poupar mais de 22 milhões de euros, segundo a Deco Proteste.

Entre os fatores que influenciam o VPT de um imóvel estão o coeficiente de localização, o preço por metro quadrado de construção, os coeficientes de qualidade ou de vetustez (idade).

O facto de não serem de aplicação automática faz com que apenas se reflitam no valor patrimonial de um imóvel quando há lugar a uma nova avaliação – seja na sequência de obras de modificação ou reconstrução ou de um pedido de reavaliação.

Depois de vários anos ‘congelado’ nos 603 euros por metro quadrado, o valor do metro quadrado de construção aumentou em 2019 para os 615 euros, tendo o Governo decidido mantê-lo este ano no mesmo patamar.

Apesar da subida, António Ernesto Pinto refere que muitas pessoas continuam a ter vantagem em avançar com um pedido de atualização do VPT, porque a idade do imóvel é um dos fatores que ajuda a reduzi-lo.

O fiscalista assinala, no entanto, a necessidade de se fazer sempre uma simulação antes de se formalizar o pedido junto da AT, para se ter maior certeza da descida e da sua ordem de grandeza.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portal das Finanças com subida de 250% nos pedidos de inscrição e reavaliação de imóveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião