BRANDS' CAPITAL VERDE Rethinking sustainability: impacto na ação climática

  • BRAND'S CAPITAL VERDE
  • 20 Maio 2020

A pandemia colocou as empresas perante novos desafios nas áreas da sustentabilidade e alterações climáticas. É neste clima que a EY lança a série de artigos “Rethinking Sustainability”.

Da pandemia da Covid-19 resultou uma redução momentânea dos níveis de poluição e das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), com melhorias evidentes na qualidade do ar de muitas cidades. A forte quebra da atividade económica, das deslocações – com queda nos consumos de combustíveis -, a suspensão das ligações aéreas, grande parte das empresas a optar pelo teletrabalho, o encerramento do comércio não essencial, o recuo no consumo de eletricidade (-21% na fase de confinamento, segundo a IEA), são algumas das razões apontadas para a redução.

Dados da Organização Meteorológica Mundial estimam para 2020 uma redução de 6% das emissões globais face a 2019, em resultado da pandemia. Para Portugal, a ZERO estima para março de 2020 a redução de 52 mil toneladas de CO2 por dia (-59% face a março de 2019), em resultado das medidas de contenção adotadas durante o estado de emergência. Será, contudo, incorreto assumir que este abrandamento será a solução para a crise climática atual, já que da recuperação económica resultará um retorno das emissões aos níveis habituais, caso se mantenha o business as usual.

Beatriz Varela Pinto, EY Manager

A pandemia demonstrou ainda o elevado grau de vulnerabilidade das cadeias de valor das organizações, revelando a sua dependência ao nível de certas geografias, indústrias e modos de transporte. Acima de tudo, a disrupção resultante desta crise mundial demonstra a necessidade de redesenhar e adaptar as operações e aumentar a resiliência empresarial.

"No novo normal, as empresas devem procurar suportar a análise dos riscos decorrentes das alterações climáticas para os seus negócios – incluindo o risco de disrupção das cadeias de valor.”

Dada a relevância das emissões da cadeia de valor para a pegada de carbono de uma organização – o “calcanhar de Aquiles” na redução de emissões, como refere o World Economic Forum – a experiência adquirida pela empresa na sua capacidade de se transformar poderá continuar a ser aplicada no futuro. Em particular, esta experiência será fundamental para informar a sua ação climática. Uma maior visibilidade das operações de fornecedores – por vezes indisponível ou incompleta – permitirá avaliar com maior robustez a sua pegada de carbono. Ainda, muitos dos ajustes em análise podem resultar na redução de emissões, com impactos positivos ao nível do seu contributo ambiental e sócioeconómico.

Tal como a crise climática, a recuperação da crise económica exigirá uma coordenação global entre países e necessidades substantivas de investimento. Na resposta europeia à crise, são vários os países a reforçarem a importância de alinhar o fundo de recuperação – do qual se aguarda a proposta por parte Comissão Europeia – com medidas que promovam a transição verde e a transformação digital, de acordo com o objetivo da neutralidade carbónica para 2050 do Pacto Ecológico Europeu.

No novo normal, as empresas devem procurar suportar a análise dos riscos decorrentes das alterações climáticas para os seus negócios – incluindo o risco de disrupção das cadeias de valor. A edição de 2019 do EY Global Climate Risk Disclosure Barometer dá conta do panorama atual da integração das recomendações da Task Force on Climate-related Financial Disclosures (TCFD) em 970 empresas inquiridas (37 das quais portuguesas) e refere a dificuldade em prestarem informação sobre como as alterações climáticas impactam os seus negócios e qual a sua resposta face à complexidade dos desafios impostos. Ainda, apenas 10% das empresas inquiridas presta informação climática com base em análise de cenários.

De forma a reduzir a vulnerabilidade, é fundamental analisar os riscos climáticos de forma integrada e suportada com ferramentas de cálculo e cenarização que permitam informar a gestão e posicionar os elementos dos seus negócios – operações diretas e atividades a montante e jusante da sua cadeia de valor – no longo prazo, tendo em consideração o impacto de eventuais futuras alterações.

Esta é a altura para as empresas reforçarem conhecimentos sobre os impactos e riscos climáticos e assim impulsionar a sua liderança na descarbonização e na concretização de oportunidades na nova normalidade.

Por Beatriz Varela Pinto, EY Manager, Climate Change and Sustainability Services

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rethinking sustainability: impacto na ação climática

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião